Candomblé gourmet

A chef Carmen Virginia, que cozinha para os orixás desde os 14 anos e os xequetês de Xangô, uma das entradas do menu Águas de Oxalá, no restaurante Na Cozinha

Viva a comida de orixás, minha gente! Começa amanhã no Na Cozinha o festival Águas de Oxalá, comemorando os três anos da casa. O melhor de tudo é que o chef Carlos Ribeiro convidou uma autêntica iabassê – cozinheira dos terreiros – para comandar as panelas dos dias 3 e 4, no almoço e jantar. Trata-se da recifense dona Carmen Virgínia, de 35 anos, que há um ano conclui a faculdade de Gastronomia do Senac PE e tornou-se chef. Uma figura linda, que anda de turbante, dólmã e o riso mais solto de Recife. Quer saber as delícias que ela vai fazer aqui em SP?

Aliás, fiz uma reportagem com a iabassê para o Folha Comida, publicado na última quarta feira, contando um pouco da história da cozinheira (você pode ler aqui). Bem, voltando ao menu do Na Cozinha, ele tem inspiração nos orixás, claro. As entradas são Alfourriét , um creme aveludado e perolado de cará, coco, gengibre e camarões secos, acompanhados de crocantes torradinhas (R$ 18); Êpa Babá, cubinhos de queijo coalho, embebidos no melaço de redução de caldo de cana caiana, acompanhado de telhinhas de beiju (R$ 23,30), e Xequetê de Xangô, mini acarajés acompanhados de vatapá de bacalhau e camarões secos com molho nagô e vinagrete (R$ 25).

Dona Carmen é formada em Gastronomia pelo Senac PE

Entre os principais, há o É d’Oxum, um filé de pescada de Cambucú, com crosta de batata doce em cama de purê de banana da terra e acaçá recheado de coalho (R$ 43,80), o arroz Haussá, um risoto de carne seca desfiada, acompanhado “com exagero” de molho de camarões secos e pimentas (R$ 44,40), e Marabô, Caiala e Sobá, moqueca de personagens do mar, acompanhados de arroz de folhas de frutas tropicais (tangerina, pitanga, limão, laranja lima) com farofinha crocante de caboclo (R$ 110, pra duas pessoas). Sobremesas? Duas: Abadô do Ribeiro, homenagem ao chef anfitrião, um mungunzá de milho branco (canjica) ao perfume de coco e especiarias, finalizada com chuvinha de paçoquinha (R$ 13,90) e, preparem-se, Punhetinha de Colher da Nega, quenguinha com creme de tapioca e recheio de cocada mole polvilhado com açúcar, cravo e canela (R$ 14,90). Haja santo pra dar conta de todas essas delícias!

O festival acaba dia 6, ás 19h, quando haverá um jantar no bar da Dona Onça, feito a seis mãos: acarajé com vatapá, vinagrete e caruru (R$ 10), por Carlos Ribeiro, bobó de camarão com arroz (R$ 47) , por Dona Carmen, e manjar de coco com calda de ameixa (R$ 15) , por Janaina Rueda. E atenção: o evento incluirá a lavagem da calçada do edifício Copan, feita por baianas da escola de Samba Camisa Verde e Branco. “Vai ser um bafão!”, gargalha a iabassê comigo ao telefone.
Dá pra perder isso?

O Abadô, um mungunzá com coco e paçoquinha

Ah, dona Carmen me deu uma receita para a matéria da Folha, que vou reproduzir aqui, justamente da sobremesa de mungunzá (com uma  linda foto do Leo Caldas, da Folhapress). E é bem facinha de fazer!

Abadô do Ribeiro

500 gramas de milho para mungunzá branco
1 litro de leite de coco
500 ml de leite
300 gramas de açúcar
30 gramas de sal
1 sachê d’épieces (pano fino, tipo gaze, amarrado com 5 cravos da índia, 3 anizes estrelados, 1 pauzinho de canela e um pouco de erva doce)
200 gramas de paçoquinha

Modo de preparo
Cozinhe o milho junto com o sachê e acrescente o leite já adoçado com açúcar. Deixe apurar e quando os grãos estiverem cozidos acrescente o leite de coco e o sal. Finalize com uma chuvinha de paçoquinha. Decore com um pau de canela. Rende 12 porções.

Na Cozinha - Rua Haddock Lobo, 955. Jardins, tel. (11) 3063-5377
Bar da Dona Onça - Avenida Ipiranga, 200, lj.27/29, República, tel. (11) 3257-2016

About these ads

4 respostas em “Candomblé gourmet

  1. Gente… fui comer o tal acaraje no Bar da Dona Onça.. sorry… era frio… muchibento… caro…. servido em condições sanitarias adversas… o caruru era só baba de quiabo sem gosto.. um vinagrete feito de cebola picada sem gosto de nada… e ainda tinha um gordinho que ficava enfiando a mão suja no meio dos ingredientes para montar acarajes pros amiguinhos.. enquanto o souz chef sofria coitado.. pesssssimo!!!!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s