Receita rápida e incrível: frango spicy com laranja e gengibre

frango spicy 2Hoje larguei um pouco os doces e investi num novo prato: frango spicy com laranja e gengibre. Taí uma receita fácil, prática e bem saborosa pra receber amigos sem ter de ficar horas na cozinha ou mesmo para uma refeição rápida a dois. E o resultado é ótimo: um prato razoavelmente leve, que combina tons picantes e cítricos com um leve toque adocicado, e muito versátil: você pode servir com arroz branco, arroz integral ou cuscuz de vegetais. O importante é: prepare o frango uma hora antes e depois finalize 15 minutos antes de servir. Essa porção rende para 4 pessoas. Confira.

Frango spicy com laranja e gengibre

Ingredientes:
1 kg de peito de frango, limpo, desossado e cortado em tiras (ou cubos)
1 xícara de suco de laranja espremida na hora
2 colheres de chá de casca de laranja ralada
¼ de xícara de shoyu (usei o light)
3 colheres de sopa de gengibre fresco bem picado
2 colheres de sopa de alho bem picado
2 colheres de sopa de azeite
2 colheres de sopa de pimenta sriracha (aquela que vem num frasco)
1 ½ colher de sopa de vinagre de arroz
2 colheres de chá de açúcar mascavo
¼ de colher de chá de pimenta branca moída
1 colher de sopa de maisena
1 colher de sopa de água fria
¼ de xícara de cebolinha picada

frango spicy 1Modo de fazer:
Em uma tigela, adicione suco e raspas de laranja, vinagre, shoyu, alho, gengibre, uma colher de sopa de azeite, pimenta sriracha, pimenta branca e açúcar mascavo. Misture bem.
Coloque o frango em um saco plástico e despeje sobre ele 1/3 da marinada acima. Feche e leve à geladeira por uma hora. (isso pode ser feito em um recipiente, como tuppeware). Reserve os 2/3 da marinada para o molho.
Já deu tempo? Retire o frango da geladeira e dispense a marinada que estava ali. Numa frigideira grande (melhor se for wok), esquente bem uma colher de azeite, em fogo alto. Quando estiver pelando, coloque metade das tiras de frango e deixe dourar por 5 minutos, mexendo de vez em quando para cozinhar por igual. Retire o frango e faça o mesmo com a outra metade das tiras. Reserve.
Abaixe o fogo pra médio-alto e na mesma wok coloque os 2/3 de marinada para cozinhar, até ferver. Enquanto isso, numa tigelinha à parte, misture a maisena a a água. Adicione essa mistura à marinada fervente e deixe ferver por mais um minuto, mexendo sempre, até engrossar e pegar uma bonita cor caramelada.
Adicione o frango e deixe cozinhar mais um minuto ou dois, para o frango ficar aquecido e bem besuntado com o molho grosso. Na hora de servir, coloque sobre uma porção de arroz (ou cuscuz) e salpique com cebolinha. Está pronto!

Loja de SP cria clube de especiarias

kitE uma outra boa dica para quem gosta culinária asiática. A Bombay Herbs & Spices, loja especializada em ervas, pimentas e especiarias, lançou o Clube Bombay para quem curte cozinhar. Funciona assim: o associado ao clube recebe em casa todo mês um kit com três produtos diferentes, entre ervas, pimentas e especiarias, informações de como utilizá-las e sugestões de receitas. Para se associar, o cliente deve se inscrever no site da loje e escolher o tipo de kit que quer receber (varia de R$ 50 a R$ 65 por mês). Segundo Nelo Linguanotto, proprietário da loja, a entrega é feita em todo o Brasil, sem frete, e durante o período de 12 meses os produtos não se repetirão. Bora cozinhar, pessoal?

Bombay Herbs & Spices – Rua Ministro Rocha Azevedo, 856, Jardins, tel. (11) 3083-3999, www.bombayhs.com.br

 

 

Tian comemora Ano Novo chinês com menu triplo de pato

tianFeliz 4713! Não fiquei maluco, não: ontem foi o Ano Novo chinês. Além das casas no bairro da Liberdade, algumas casas comemoraram a data com menus especiais. É o caso do asiático Tian, que está oferecendo um cardápio especial de três pratos à base de pato, um dos ingredientes mais usdos na culinária chinesa. O trio será servido no jantar até 19 de março, custa R$ 150 e dá pra duas pessoas. Uma das receitas é o pato de Szechuan, uma versão do chef Fernando de Souza para o famoso Pato de Pequim (ou pato laqueado). No Tian, a ave é cozida a vapor, com temperos da região de Szechuan, e depois frita com gordura de pato, com molho hoisin, pepino, cebolinhas e buns (pães chineses) no vapor. Os outros dois pratos são o Crispy Duck  Salad (pato confitado, alface mizuna, tomates cerejas, cebola roxa, laranja e vinagrete de ameixa chinesa) e dumplings de Pato (trouxinhas recheadas com coxa confitada de pato), servidos em consomê de pato, shiitake e temperado com cinco especiarias chinesas. Já quero.

Tian – Rua Jerônimo da Veiga, 36, Itaim Bibi, tel. (11) 2389-9399, www.tianrestaurante.com.br

Vamos almoçar melhor: o novo executivo do Bagatelle

Screen Shot 2015-02-13 at 2.07.44 PMEu já havia falando do Bagatelle aqui neste blog. Apesar de a noite ser o “horário nobre” da casa (principalmente pra galera dourada dos Jardins), eu só vou ao restaurante no almoço, quando as coisas estão mais pro bucólico do que pra balada. A novidade é que o Bagatelle mudou o esquema de menu executivo. O combo couvert + entrada + prato principal sai por R$ 45 – se quiser incluir uma das sobremesas da casa, sobre pra R$ 51. A diferença é que agora o cardápio de almoço é semanal, com duas opções de entrada e três de prato principal. Ou seja, toda semana tem novidade no menu. Como esse Le Trivial, com arroz, feijão branco, espinafre sauté, farofa e miniburger.

 

Screen Shot 2015-02-13 at 2.08.10 PMNo dia em que visitei a casa, as entradas eram esse refrescante gaspacho com camarão ou mini tartare de salmão com torradinhas.

 

Screen Shot 2015-02-13 at 2.07.59 PMTem até opção mais leve pro principal, como esse penne integral, funghi, pesto de salsinha e castanha do Pará. A terceira opção era meca grelhada, purê de batata com ervas e molho vierge de manga (manga, tomate, ervas, limão, azeite).

 

Screen Shot 2015-02-13 at 2.07.35 PMSe a fome for suficiente, vale a pena pedir a sobremesa. São R$ 6 reais a mais por uma receita que em geral custa R$ 18 no cardápio noturno. Como esse delicioso cheesecake de banana.

Bagatelle – R. Padre João Manuel, 950, Jardins, tel. (11) 3062-5048, www.bistrotbagatelle.com.br

Receita: torta de maçã americana, a típica apple pie

torta inteiraBaixou o exu da Vovó Donalda em mim de novo nesse Carnaval e lá fui eu pro ala-la-ô da cozinha. Depois da torta de cereja (que você pode conferir aqui), resolvi americanizar ainda mais e fazer uma torta de maçã típica, daquelas que a gente vê em desenho animado e feel good movie de Hollywood. E não é a apple pie que ainda melhor que sua prima de cerejas? Dei uma mudada na massa, preparei no processador e respeitei os tempos de descanso – e isso fez muita diferença. Mas você pode fazer na mão, usando o bom e velho método de dazer a massa na ponta dos dedos. Bem, vamos lá?

 

torta pedaçoTorta de maçã americana

Ingredientes
Massa:

2 ½ xícaras de farinha peneirada
200 g de manteiga sem sal gelada (isso é importante), cortada em cubinhos
2 colheres de sopa de açúcar
1 colher de chá de sal
1/3 a ½ xícara de água gelada

Modo de fazer:
Em um processador, misture rapidamente os ingredientes secos (farinha, açúcar e sal). Adicione os cubos de manteiga e pulse a mistura aos poucos (nada de bater em velocidade!). Aos poucos, a mistura vai se tornando uma farofa, com alguns pedaços de manteiga. Não tem problema. Mais dois pulsos e pronto.
Adicione a água gelada aos poucos, uma colher de sopa por vez e dê um pulso. Repita a operação até que a massa se forme. É bem rápido, na terceira ou quarta dose de água a massa já está pronta.
Coloque sobre uma superfície lisa e junte tudo delicadamente, até formar uma bola de massa que não grude. Divida em dois (uma parte um pouquinho maior que outra), enrole separadamente em um filme plástico e leve à geladeira por uma hora e vá fazer o recheio.
Já deu o tempo? Tire da geladeira a porção de massa maior. Sobre uma superfície lisa e enfarinhada, abra a massa com um rolo (também enfarinhado), sempre do centro para as pontas. Abra um pouco e gire a massa no sentido horário, tentando fazer um círculo de uns 30 cm. Tome cuidado pra não ficar muito fina, nem muito grossa, mas bem lisa e uniforme.
Pegue uma forma redonda de 23 cm de diâmetro, untada, e coloque a massa por cima (um truque bom é enrolar bem folgadamente a massa no rolo e desenrolar por cima da forma). Ajeite a massa na forma, cobrindo bem o fundo e as laterais, deixando as sobras de massa pra fora. Cubra com filme plástico e leve de volta ao refrigerador.
Agora abra a outra porção da massa do mesmo jeito, formando um círculo um pouco menor, que será a “tampa” da torta. Coloque em uma assadeira reta, sobre papel manteiga, cobra com plástico e de volta à geladeira. A massa está pronta!

Recheio:
1 kg de maçãs vermelhas ou verdes (descascadas, sem caroço, cortadas em fatias de 0,5 cm de espessura, mais ou menos)
¼ de xícara de açúcar (pode ser um pouco mais)
¼ de xícara de açúcar mascavo (pode ser um pouco mais)
1 colher de chá bem cheia de canela
¼ de colher de chá de sal
¼ de colher de chá de noz-moscada (opcional)
suco de meio limão
1 ½ colher de sopa de manteiga
3 colheres de tapioca granulada (ou 1 ½ de maisena)

torta por dentroModo de fazer:
Assim que descascar e fatiar as maçãs, coloque as fatias em uma tigela grande e imediatamente misture com o suco de limão – isso evita com que elas escureçam.
Misture os açúcares, o sal, a canela e a noz-moscada. Junte, com as mãos mesmo, às fatias de maçã e misture bem, para “temperar” as fatias uniformemente.
Agora um truque. Como as maçãs perdem água no processo, elas perdem volume e podem deixar sua torta meio oca. Como evitar isso? Assim que você terminou de misturar as fatias com açúcares, canela etc, ponha tudo em um escorredor de macarrão ou peneira grande, coloque sobre a tigela onde elas estavam e deixe em temperatura ambiente por uns 30 minutos (enquanto você abre sua massa, por exemplo). Isso faz com que as maçãs percam água e já fiquem nom volume certo.
Mas a mistura de água e açúcar que sai das maçãs você aproveita – e muito – para dar sabor à sua torta. Recolha esse resíduo em uma caneca de vidro ou porcelana (que possa ir ao micro ondas), previamente untada com margarina. Junte 1 ½ colher de manteiga, misture e leve ao micro ondas por 5 minutos, em alta temperatura, ou até que ferva (isso tudo pode ser feito em uma panelinha, no fogão, também). Você vai ver que a água marrom de antes reduz e vira quase um xarope, meio grosso e caramelado.
Misture essa maravilha nas fatias de maçã (pense no sabor que dará ao recheio). Adicione a tapioca (ou maisena) e misture tudo muito bem. Está na hora de rechear a massa e levar sua torta ao forno.
torta pre fornoMontagem:
1 gema de ovo
1 a 2 colheres de açúcar demerara (ou comum)

Modo de fazer:
Retire a tampa da torta da geladeira uns 10 minutos antes de montar a torta. Depois, pegue a parte de baixo, recheie com as maçãs e espalhe uniformemente.
Agora faça o mesmo método do rolo: enrole a massa da tampa folgadamente e desenrola sobre a parte de baixo recheada. Vá tirando as sobras de massa e formando a beirada mais grossa, com os dedos.
Com uma faca afiada, corte pequenas aberturas perto do centro, para pode liberar os vapores na hora em que a torta assar.
Pincele a torta com uma gema e espalhe o açúcar demerara uniformemente por cima da superfície. Leve ao forno pré-aquecido a 220ºC e deixe assar entre 45 e 55 minutos. Quando ela estiver dourada, faça o teste, enfiando a faca delicadamente em uma das aberturas da tampa: você tem de sentir as fatias macias, não deixando que percam sua forma ou virem um purê.
Retire a torta do forno e deixe esfriar por 3 a 4 horas, para que os sucos internos se assentem e o sabor se consolide. Pronto! Sirva pura, com chantilly ou sorvete de creme. A torta dura de 2 a 3 dias fora da geladeira – aqui em casa durou 24 horas. Beijos da Vovó, ops, do blogueiro!

Receita de torta de cerejas frescas da Vovó Donalda (ou quase)

torta cereja fatia1Essa torta nasceu no Facebook. Explico: essa semana a Lavinia Carvalho postou umas fotos maravilhosas de uma torta de cereja frescas que havia feito. Morri de elogiar e no dia seguinte ganhei um pedaço na agência – que devorei escondido, feito moleque do ginásio que é esganado e não quer dividir a guloseima com ninguém. #humpf
Claro que pedi a receita, que ela gentilmente cedeu, e aqui está o resultado. É relativamente simples e o resultado, excelente. Uma torta gordinha, bem recheada, daquelas que lembram as tortas que a Vovó Donalda assava quando Donald e seus sobrinhos iam visita-la no sítio.

 

torta verej inteiraAlgumas considerações: 1- minha massa não ficou tão elástica quanto à da Lavinia; ficou um pouco quebradiça porque eu fiz a burrada de não colocar toda a água gelada na hora do preparo da massa. Na próxima não vou inventar moda e farei como está na receita; 2 – não é mais época de cerejas, então elas são mais difíceis de encontrar e menos maduras; ou seja, menos doces – por isso coloquei 1 xícara inteira de açúcar no recheio e um tiquinho de essência de baunilha. 3 – o melhore “segredo” dessa receita é usar tapioca granulada no lugar de maisena no recheio, pois cria uma geleia leve onde as cerejas se firmam.
Torta de cerejas frescas

Ingredientestorta cereja frutas
Massa:

3 xícaras de chá de farinha de trigo peneirada
200 g de manteiga gelada em cubos pequenos
1/3 xícara de chá de água gelada
1 colher de chá rasa de sal

Recheio:
1 kg de cerejas frescas
suco de 1/2 limão
3/4 a 1 xícara de chá de açúcar (dependendo de quão doce está a fruta)
4 colheres de sopa de tapioca granulada
½ colher de chá de essência e baunilha (opcional)
(se quiser, pode acrescentar 1 cálice de licor de cereja ou de cassis)

Finalização:
1 gema
1 colher de sopa de açúcar (usei o demerara, mas pode ser o comum)

torta cereja corteModo de preparar
Corte as cerejas na metade e retire os caroços das cerejas (isso REALMENTE é chato, mas tem de fazer). Numa vasilha grande, misture as cerejas com o limão, o açúcar e 3 colheres de sopa tapioca granulada. Reserve.
Em uma outra tigela, misture a farinha e o sal e acrescente a manteiga. Com as pontas dos dedos, vá desmanchando a mistura até que se torne uma farofa.
Vá acrescentando a água gelada aos poucos, até que a massa fique homogênea. Manuseie a massa delicadamente e o mínimo possível. Mas use toda a água!
Divida a massa em duas partes e abra uma delas sobre papel manteiga. Em seguida, coloque no fundo de uma forma redonda untada. Usei uma daquelas com fundo removível para desenformar sem risco de quebrar, mas pode fazer na comum e cortar a torta dentro mesmo. O diâmetro ideal é em torno de 25 cm, para ficar mais alta.
Abras a segunda parte da massa. Recheie a torta com as cerejas preparadas anteriormente e espalhe bem, para igualar o recheio. Espalhe mais uma colher de sopa de tapioca granulada por cima (segundo a Lavinia, ajudar a dar crocância na massa que cobre a torta – e deu mesmo!). Tampe a torta com o disco de massa, retire o excesso apertando as bordas.
Pincele com a gema e salpicar com o açúcar. Faça alguns furos com o garfo e leve ao forno pré-aquecido a 220 ºC. Deixa a torta assar por cerca de 40 minutos, até sua superfície ficar dourada.

Vamos almoçar melhor? O menu executivo do premiado Kan

tirashi

No pequeno balcão do Kan, uma fileira de tirashis para uma das mesas, com o chef Keisuke Egashira ao fundo

Não é fácil comer no Kan. Desde que ganhou o título de melhor japonês de São Paulo pela Veja SP, o pequeno restaurante numa galeria na Brigadeiro Luís Antônio vive cheio e precisa de muita paciência para fazer uma reserva – sem isso, nem adianta tentar. Porém, como fica muito perto do meu trabalho (exatos quatro quarteirões), resolvi arriscar e passei lá na hora do almoço, assim como quem não quer nada. Dei sorte e comi no estreito balcão do andar de baixo (em cima ficam as mesas).

Já voltei lá três vezes, sempre no balcão e com reserva – no almoço é mais fácil conseguir uma vaga. O local me lembra muito as casas de sushi de Tóquio, pela simplicidade, pela qualidade dos peixes e pela execução primorosa do chef Keisuke Egashira. O chef é um japonês com ar afável, que mal fala português e fica muito na dele atrás do balcão na dele, trabalhando incessantemente na produção dos pratos.

sashimis

Prato de sashimis de fatias generosas e tamago

O Kan não é um local barato; uma degustação no jantar custa cerca de R$ 250. Mas no almoço, oferece um menu executivo camarada, por R$ 45. São três opções: sushis, sashimis com gohan ou tirashi. Todo com uma gostosa fatia de tamago (bloco de omelete adocicada e bem fofinha). Outro toque do chef Egashira muda tudo: ele prepara o arroz (gohan) com vinagre preto, que deixa as iguarias ainda mais saborosas.

 

misso

Missoshiru com vôngoles: poderoso e delicado ao mesmo tempo

Todas opções do executivo incluem um poderoso missoshiru com vôngoles, numa louça muito bonita. Não que isso mude o sabor do prato, mas é elegante e combina com a culinária meticulosa do chef.

 

chawanmushi

Vale a pena pedir o chawanmushi à parte.

O menu de almoço também traz alguns complementos para pedir à parte. Como esse chawanmushi (R$ 10), suflê de ovos com frango, cogumelo e camarão. Pedi e não me arrependi nem um pouco, estava ótimo.

 

ovas

Sushi de ovas de salmão com gema de ovo.

Na minha próxima visita, pretendo pedir o executivo especial de sushis (R$ 80), uma espécie de degustação com 20 bolinhos diferentes, com variações como garoupa, camarão no missô ou ovas de salmão com gema de ovo (na foto).

 

Porção de sushis no menu executivo.

Porção de sushis no menu executivo.

Na verdade, é muito fácil comer no Kan. Desde que você garanta sua vaga, claro.

 

Kan - Rua Manoel da Nóbrega, 76, loja 12, Paraíso, tel. (11) 3266-3819

Tapas na mesa, Foo Fighters na cabeça e Keira Knightley no coração

patatas Quarta-feira passada recebi um convite irrecusável: um jantar no Arola Vintetres especialmente preparado pelo chef espanhol Sergi Arola, em passagem de uma semana pelo Brasil. Sentado à mesa com ele, aprendi três coisas: 1) ele é fã da banda americana Foo Fighters; 2) a atriz que mais o encanta (em todos os sentidos) é a inglesa Keira Knightley; 3) de todos os vegetais do mundo inteiro, o que ele mais ama é o palmito brasileiro. Porém, o mais importante sobre o homem eu já sabia anos antes de conhece-lo ao vivo: seu talento. E nem estou falando dos vários prêmios e das duas estrelas no Guia Michelin, mas da cozinha autoral que ele pratica em seus vários restaurantes, itens criativos e bem executados, mas sem afetação nem “raio gourmetizador.” Enfim, foi uma ótima degustação com vários exemplos das tapas quentes e frias, além dos pratos, que são sucesso nos restaurantes de Sergi e que estão no cardápio do Arola em SP. Como as marcantes patatas bravas e tortillas de batata (na foto) e outras delícias que seguem abaixo.

 

cevicheEsse é pra refrescar: ceviche de pargo com manga e guacamole.

 

salpicao 2Um dos pontos altos do menu: salpicão de centolla (caranguejo gicante). Simples, mas rico em sabores e texturas.

 

kobeCarpaccio de Kobe beef, com fatias tão finas e macias que chegam a ser cremosas na boca.

 

ajoblancoAjoblanco, uma sopa fria típica da Andaluzia: emulsão de amêndoas e alho, gelatina de uva, melão e tosta de pão. Surpreendente.

 

 

polvoVice-campeão da noite: polvo guisado na brasa com batatas bravas. Textura sensacional e ainda um gostinha de brasa no fim. O chef me disse que é um dos itens mais pedidos em seu restaurante em Madri.

 

carneMeu preferido: filé ibérico confitado com abacaxi, endívias e quenelle de batata e pancetta. Carne desfiando, com sabor marcante, perfeitamente combinada com a doçura da fruta e a maciez da batata.

 

ravioliRabo de boi servido em ravioli de massa wonton. Surpreendente.

 

 

arroz lagostaArroz cremoso de lagosta. Bom, mas foi o prato menos interessante da noite.

 

 

chocolateA sobremesa foi Chocolate 1, 2, 3, 4, 5: ou seja, cremoso, sorvete, espuma, gelée, crocante e sopa.

 

 

sergiFoto ruim, mas pra marcar a data: com o chef Sergi Arola e a querida Larissa Januário, do site Sem Medida.

 

vistaE pra fechar: além da ótima comida e da boa companhia, pense num jantar com essa vista

 

Arola Vintetres – Hotel Tivoli, Alameda Santos, 1437, 23º andar, Jardins, tel. (11) 3146-5901, www.arolavintetres.com.br

 

 

Noites de domingo ganham ar de boteco no Brasil a Gosto

pastel2Qual é o brasileiro que não curte um bom boteco? A partir dessa premissa, a chef Ana Luiza Trajano resolveu transformar seu restaurante Brasil a Gosto em um boteco animado com samba ao vivo e petiscos da cozinha botequeira. A botecagem acontece nas quatro noites de domingo de fevereiro (1º, 8, 15, 22), das 19h até meia-noite. Além da música ao vivo, o BaG ganha mais descontração no ambiente, com mesas e cadeiras de metal, bisnagas de plástico para os temperos e os indefectíveis porta-guardanapos de botequim. O menu também é bem diferente do cardápio diário do Brasil a Gosto, com cinco opções de petiscos, quatro de porções e três sobremesas – além de caipirinhas e, claro, cervejas. Um dos petiscos mais botequeiros é a cesta de pasteis de queijo e carne (R$ 25), acompanhados de vinagrete (na foto). Quer saber mais? Puxa uma cadeira, peça uma cerveja e vem comigo. Continuar lendo

Sakamoto mantém a qualidade com preços mais baixos

 

Misto de sashimis de atim, salmão, robalo, serra e, olho na perfeição, vieiras.

Misto de sashimis de atim, salmão, robalo, serra e, pra im o mais perfeito de todos, vieiras gordinhas. Hmmmm…

Oi, blogueiro sumido! Depois de um pequeno susto com a saúde (que já está sendo resolvido), voltei com tudo (#medo). Ontem mesmo fui conhecer o Junji, nova casa do Jun Sakamoto, aberta em dezembro no Shopping Iguatemi. Com ambiente sóbrio, criado pelo arquiteto Otávio De Sanctis, com muita madeira, vidro e varanda, a nova casa surgiu com a intenção de ser uma versão mais acessível da cozinha de excelência de Sakamoto – cujo restaurante original, na Rua Lisboa, não é para todos os bolsos. Sem dúvida uma grande vantagem quando se leva em conta os ótimos ingredientes e a execução impecável dos pratos.

 

junji tartareO menu do Junji é enxuto, composto mesmo de várias opções de sushi e sashimi (incluindo mistos em dois tamanhos e preços, de R$ 60 a R$ 100), e alguns pescados menos óbvios (carapau, vieira, beijupirá, olho-de-boi etc). Há também opções de teishokus ( teppan de salmão ou rib-eye, garoupa cozida, tempurá, merluza marinada no missô) que variam de R$ 56 a R$ 95, e muitas entradas interessantes. Como o delicioso tartare de atum (R$ 22) acima, com ovas de capelim e gelatina de dashi-shuyu. Caso sério, viu? Quer saber mais? Leia abaixo.

 

junji ostrasOutra entrada gostosa e bem propícia a esse clima subsaariano que estamos vivendo em SP: ostras frescas com ovas gordinhas de salmão e molho ponzu (R$ 24, seis unidades)

 

junji ChawanmushiComfort food japa: Chawanmushi (R$ 21), um flan de ovos com frango e cogumelos japoneses, trufados no azeite.

 

IMG_9423Uma novidade de Sakamoto: para espalhar shoyu nos niguiris, sem encharcar o arroz, nem desmontar o sushi, o restaurante disponibiliza pequeno pinceis macios para espalhar o molho de soja apenas sobre o peixe, comme il faut.

 

junji sorveteSobremesas em geral não são o forte de casas japonesas, mas ontem me surpreendi (agradavelmente) com duas delas. A melhor foi o sorvete de maça verde com gelatina de saquê (R$ 18): a massa cremosa do sorvete tem a doçura e a acidez muito equilibradas, combinando bem com o toque de saquê e limpando totalmente o paladar após os peixes.

 

junji bruleeFechamos com creme brûlée de chá verde (R$ 17), uma releitura interessante, mas com menos força do que o sorvete acima. Mas vale provar, principalmente pela execução perfeita: o doce veio bem cremoso e coberto por uma camada firme e aquecida de açúcar maçaricado.

Ah, o Junji também tem algumas opções de saquê e drinques, que não provei porque ainda estou impedido de tomar álcool. Mas deixa eu voltar lá que vocês vão ver!

Junji – Av. Brigadeiro Faria Lima, 2.232, Shopping Iguatemi, piso térreo, Jardim Paulistano, tel. (11) 3813-0820