Vamos almoçar melhor? Hoje, o carbonara perfeito do Tappo

Misture a gema ao macarrão: o calor do molho finaliza do cozimento e tudo fica perfeito.

Misture a gema crua ao macarrão para cozinhar no calor do molho e resultar num dos melhores carbonaras da cidade.

Retomando a série que promove almoços mais gostosos, hoje comi no Tappo Trattoria. A casa italiana de Renato Ades e do chef Benny Novak é um das minhas preferidas da dupla (responsáveis também pelo excelente Ici Bistrô, o Ici Brasserie e o 210 Dinner). Ambiente pequeno, mesas coladinhas, trilha sonora agradável… tudo conspira pra uma experiência agradável nesse Tappo. Mas não adiantaria nada se a principal coisa de um restaurante, a comida, não estivesse no mesmo nível. E, no caso do Tappo, a comida supera o próprio restaurante. A cozinha fica a cargo do chef italiano Rodofo de Santis, 28 anos de idade e três de São Paulo, onde já chefiou casas como Biondi e Domenico. Enfim, no almoço o sistema do Tappo é o seguinte: você escolhe um prato do menu e, pelo preço da sua opção, ganha entrada e sobremesa.

 

foto 2Hoje, por exemplo, comi carpaccio (na foto acima); outro dia foi vitelo tonnato. Quantidade pequena, mas honesta. Perfeita para abrir o apetite para a grande estrela da refeição – no meu caso um insuperável espaguete à carbonara. A massa chega à mesa fumegando, com uma gema por cima. Cabe a você misturá-la ao calor do macarrão e de seu molho cremoso para cozinhar rapidamente. Molho perfeito, à base de ovos, queijo pecorino e cubinhos de bacon crocantes. E só, pois carbonara que se preze não leva creme de leite, nunca. Sem contar o tempero perfeito, sal na medida e pimenta marcante, sem desequilíbrio.

 

foto 3Sim, ainda tive a cara de pau de ir na sobremesa: hoje, um pequeno (ainda bem) cannolo siciliano (foto ao lado), um tubo de massa crocante, bem recheado com creme levíssimo e pistaches, tuco coberto com chocolate em pó. Antes que me perguntem, cannoli também está certo, mas é o plural de cannolo. Aliás, sugiro também outras sobremesas, como o semifreddo de chocolate ou a torta do dia – hoje era um surpreendente cheesecake de queijo de cabra com calda de frutas vermelhas. O preço de tudo isso? O mesmo do carbonara, R$ 42 (sem contar o serviço e água). Outro dia comi rigatoni com ragu de linguiça e saiu R$ 39. Se quiser acompanhar o respasto com vinho, a taça custa R$ 17 na hora do almoço.
Viu como dá pra ser muito feliz em SP gastando menos de R$ 50?

Tappo Trattoria – R. da Consolação, 2967, Jardins, tel. (11) 3063-4864

 

Uma loja de queijos para o pai e para o filho

O delicioso Canastra "afogado": textura macia e cremosidade perto da casquinha

O delicioso Canastra “afogado”: sabor marcante, textura macia e cremosidade absurda de boa perto da casquinha

Uma pequena história (e talvez uma coincidência) marcam esse post. Logo no início desse blog, contei aqui eu aprendi com meu pai a gostar de queijos e conhecer novo sabores (aqui). Quanto ao conhecimento, achei que tinha “evoluído” um pouco mais que ele, após várias experiências escrevendo sobre gastronomia. A mais recente foi minha visita ao Mestre Queijeiro, nova loja dedicada à venda de queijos artesanais produzidos em várias partes do país. A casa está a cargo de Bruno Cabral, o mestre-queijeiro em questão, que passou 8 anos na Europa, onde apredeneu o ofício de Maïtre Affineur – a pessoa que cuida da conclusão e refinamento dos queijos, além de conhecer as técnicas de produção, território etc. Ele se associou a outro Bruno, o Ferraro (não, não somos parentes), do grupo Clash, para abrir a loja em Pinheiros, onde, além de vender queijos, faz diversos processos de maturação.

Lua do Bosque: o "camembert de cabra" de SP

Lua do Bosque: o “camembert de cabra” produzido em SP

A loja tem cerca de 30 queijos, a maioria de Minas Gerais, e a estrela da casa é o queijo artesanal da Serra da Canastra. Provei cinco tipos, desde o fresco até o temperado, passando pelo maturado 40 dias, com a casca lavada em cachaça – alias, uma delícia. O que mais me deixou doido mesmo foi o Serra da Canastra “afogado”, ou seja, maturado em plástico por quatro dias, fora da geladeira. Esses queijos custam entre R$ 54 e R$ 59 o quilo. Também provei o ótimo queijo Lua do Bosque (R$ 190/kg), espécie de camembert, porém de leite de cabra, produzido em Joanópolis (SP). Outra boa surpresa: queijos de leite cru de ovelha. Gostei de dois: o Paladare Curado, maturado por 4 meses (R$ 98/kg), e o Paladare Extra Curado por 12 meses (128/kg), que remete fortemente ao parmesão.

figadaAlém dos queijos, a loja tem espaço para degustações e um empório com cachaças, geleias de frutas do cerrado (pequi, jenipapo e até  mama-cadela!), macarrão, azeites e doces, daqueles bem típicos do interior, conservas, goiabada cascão e que tais. Tem até um doce de leite da Fazenda Mironga, da Ilha de Marajó (R$ 30, 250 g).
Aliás, foi por causa de um doce do Mestre Queijeiro, uma figada de São Gonçalo (R$ 17) que ganhei do Bruno Ferraro, que meu pai voltou a esse blog. Num almoço de domingo, levei o doce à mesa e ao ver a caixa de madeira ele perguntou: “Você comprou na loja de Pinheiros?” Respondi que sim, mas achando que ele falava de outra loja. Mas, não. “É a loja do queijeiro, né? Já fui lá trêz vezes com um amigo. Cada queijo bom! E o cara lá é muito simpático, sabe de tudo de queijo!”.
Meu pai perdeu um pouco a prática, mas não perdeu o instinto.

Mercearia Mestre-Queijeiro
- Rua Simão Alvares, 112, Pinheiros, tel. (11) 2369-1087

Agora Dona Onça serve feijoada também às quartas

foto 1Fãs de feijoada, alegrem-se: desde março, a gostosa feijoada do Bar da Dona Onça – uma tradição aos sábados no Copan – passou a ser servida também às quartas-feiras, das 12h às 15h. E vou dizer: é bem servida. Vem com costelinha de porco, carne de sol, abóbora kabochã e maxixe (cozidos no caldo de feijão), laranja, arroz bem soltinho, tartar de banana e farofa. No lugar da couve refogada, a chef Janaína Rueda serve salada de couve cortada bem fininha. A chef conta que todas as carnes da feijoada são frescas e tem de tudo, desde pé e rabo a lombo e linguiça portuguesa. A feijoca pode vir em porção individual (R$ 51) ou para dois (R$ 96). Quer uma dica de gordo? Finalize a refeição com a sobremesa Trio Elétrico (R$ 18), quindim, brigadeiro de colher e um dos melhores pudins de leite que já comi. E nem venha me falar de calorias, que você acabou de comer uma feijoada! Humpf!

foto 2
Bar da Dona Onça – Av. Ipiranga, 200, lojas 27/29, tel. (11) 3257-2016.

Melhor, mais informal e mais barato: esse é o novo La Cocotte

Vieiras grelhadas com risoto de açafrão

Vieiras grelhadas com risoto de açafrão

Sai a fachada branca e hermética, entra uma pequena e simpática varanda com mesinhas e ar bucólico. Essa é apenas a primeira das várias mudanças que observei logo que cheguei ao La Cocotte, restaurante francês que acaba de reabrir com novo ambiente, novo menu e nova “pegada”. Mais do que o decor mais despojado do salão, a principal mudança foi na cozinha: o cardápio totalmente novo é assinado por Erick Jacquin, um dos mais principais chefs franceses em atividade no Brasil. Ah, sim: os preços também estão bem mais camaradas com o cliente. E isso sempre é bom.

File au poivre altão, saboroso e no ponto certo

File au poivre altão, saboroso e no ponto certo

O menu de Jacquin reflete o tom mais informal desse novo La Cocotte – comme il faut. Ali brilham receitas mais clássicas, como o filé mignon ao poivre, com fricassée de cogumelos (R$ 56). Mas também há espaço para pratos mais autorais. Um deles já periga virar carro-chefe da casa: vieiras grelhadas com molho champagne e risoto de açafrão (R$ 62). Aqui Jacquin consegue um equilíbrio delicado, no qual a presença marcante do açafrão não apaga o sabor delicado das vieiras. Veja outras novidades do “Cocotte 2.0″ abaixo. Continue lendo

Veloso comemora 9 anos com carta especial de caipirinhas

Wellington Nemeth

Brasil a Gosto, Carlota e Mocotó (da esq. para a dir.): a carta de caipirinhas exclusivas para o aniversário do Veloso vai só até domingo.

O bar Veloso, famoso pela premiada coxinha de frango com catupiry (R$ 24/ seis unidades), acaba de completar nove anos. Para comemorar a data, a casa vai celebrar outra estrela do bar: o também premiado barman Souza (na foto abaixo), que prepara as igualmente famosas caipirinhas da casa. Até 6 de abril (domingo), Souza vai servir uma carta especial de 5 caipirinhas criadas por 5 chefs, exclusivamente para a ocasião. E mais: a Pirassununga lançou uma garrafa exclusiva da cachaça Janaína, com rótulo comemorativo Veloso, que pode ser comprada ali (R$ 25).

Wellington NemethTodas as caipirinhas comemorativas são preparadas com a cachaça Janína e cada uma sai por R$ 17 – exceto a “Ici Bistrô”, que custa R$ 24. Confira o menu: caipirinha “Brasil a gosto”, de Ana Luiza Trajano: cachaça, siriguela, cajá, gengibre e capim-santo; caipirinha “Carlota”, de Carla Pernambuco: cachaça, romã, limão-siciliano e um toque de morango; caipirinha “Ici Bistrô”, de Benny Novak: cachaça, uísque americano, lima-da-pérsia, laranja-baía e angostura; caipirinha “Attimo”, de Jefferson Rueda: cachaça, compota de tomate, melancia, manjericão, vinagre e um bacon crocante para decorar; caipirinha “Mocotó”, de Rodrigo Oliveira: cachaça, limões taiti, cravo e siciliano e melaço. Parabéns ao Veloso e vamos comemorar bebendo!

Veloso – Rua Conceição Veloso 56, Vila Mariana, tel. (11) 5572-0254, velosobar.com.br.

Quando o ovo de Páscoa encontra o abacaxi

foto 4aPáscoa chegando (20 de abril, pra quem ainda não sabe) e  chega junto aquela enxurrada de ovos – entre eles muitas novidades. A moda, esse ano, são ovos de recheados pra comer de colher, pelo que tenho reparado. Em geral, até prefeito ovo de Páscoa com cara/jeitão de ovo de Pácoa, com casca saborosa e um monte de bombom variado dentro. Porém, acabou de chegar um a minha casa, desses diferentes, de que gostei muito. Aliás, gostei demais. É o Ovo Ananás (R$ 79/ 400g, e R$ 110/ 600g), criação da chef Amanda Lopes para a Jelly Bread. De cara, parece mais enfeite do que ovo, com uma casca amarelona, brilhante. Mas é pra comer sim: ovo com casca de chocolate branco recheada de brigadeiro de abacaxi e baunilha, castanha de caju caramelizada e chocolate ao leite. Apenas delicioso.

foto 2aA linha de ovos Jeally Bread tem outros quatro sabores: Ouro Negro (chocolate 53%, doce de leite, biscoito fudge e especiarias), Odeon (chocolate 53% recheado com brigadeiro branco e crocante de biscoito com chocolate 70%),  Outono (casca de chocolate ao leite com brigadeiro cremoso, crocante de nutela) e Veludo Amargo (casca de chocolate amargo recheada com brigadeiro negro). O preço é sempre o mesmo. Ah,  e a chef também criou colombas com fermentação 100% natural com sabores como confit de limao siciliano e chocolate branco ou banana passa, castanha de caju e chocolate ao leite (R$ 49/ 600g).

Jelly Bread – Av. Cidade Jardim, 56/60, Jd. Paulistano, tel. (11) 3063-5596, ou Shopping Pátio Paulista, R. Treze de Maio, 1947, Bela Vista, tel. (11) 3251-2044, ou Shopping Morumbi, Av. Roque Petroni Jr, 1089, Itaim Bibi, tel. (11) 5181-3325

Novo casarão de pizzas Veridiana abre as portas em Perdizes

foto 2Mas uma pizzaria chega a Perdizes – se continuar assim, o bairro será uma espécie de  novo Bixiga. Enfim, dessa vez é a terceira unidade da pizzaria Veridiana, que ocupa um lindo casarão de 1903 em Higienópolis e outro imóvel nos Jardins. A nova Veridiana também fica num casarão de 700 m2, onde funcionava uma loja de brinquedos. A casa também tem um jardim vertical , marca registrada dos ambientes da pizzaria Veridiana.

 

foto 3E as pizzas? Bem, o menu é o mesmo das outras unidades, inclusive os preços e a ótima qualidade das pizzas. Estive lá na quarta-feira e comi um dos sabores mais incríveis: Cablanca (R$ 69, a grande), com queijo de cabra holandês, mini-aspargos frescos e pinole. Mas não deixe de provar a Della Nonna (R$ 65), com mussarela e fatias de linguiça calabresa artesanal, ou a Pancetta al Mascarpone (R$ 69), com queijo mascarpone, pancetta de origem e pinole. Claro que o gordito aqui não deixou passar em branco uma entrada – ou pão de linguiça (R$ 20) gostoso, molhadinho – nem a sobremesa: matei um tiramisù (R$ 19), pra mim ainda a melhor sobremesa italiana. Enfim, gostei que agora a Veridiana está mais perto de casa – ou seja, a tentação está logo ali do lado.
Veridiana – Rua Turiaçu, 98, Perdizes, tyel. (11) 3862-8111

Vem pra rua você também!

Sanduíche de linguiça artesanal ok IMG_4446Domingo é dia de comer na rua em São Paulo. Dia 30, a cidade terá três eventos gastronômicos com ótima oferta de comidas, bem diferentes entre si e com preços legais. Uma delas é o sanduíche de linguiça artesanal (R$ 15), que será vendida na frente do bar Aconchego Carioca (Al. Jaú, 1372, Jardins, das 14h às 18h). Essa será a última edição “de rua” do bar.

fotoA já tradicional Feirinha Gastronômica (Pça. Benedito Calixto, 85, Vl. Madalena, das 12h às 19h) encerra o mês de março com mais de 30 expositores, entre pratos, petiscos, doces, sorvetes e bebidas. Um dos hits da última edição está de volta: a coxinha de pato (R$ 8) do chef Carlos Bertolazzi, que comanda as cozinhas da rede Per Paolo e do Zena Caffé, além de ser apresentador do programa Homens Gourmet, na Fox Life. E coxinha sempre vai bem, né?

cevicheAli perto, o restaurante peruano Suri (R. Mateus Grou, 488, Pinheiros, das 18h às 21h) realiza mais um Domingo Cevichero. Entre as quatro iguarias que serão vendidas, destaque para essa criação do chef Dagoberto Torres: manjubinha encevichada (R$ 10), com as manjubas servidas fritas, com molho de limao, cebola roxa, coentro e pimenta dedo de moça. Ou seja, tem comida (boa) de rua domingo inteiro pra você se divertir e comer bem.

Vamos almoçar melhor? Hoje, os sanduíches da Lox Deli

foto 2Retomando a série de almoços legais, hoje vou falar da Lox Deli, uma simpática casa aberta no fim de 2013. Como o nome meio que entrega, uma das especialidades da deli é o Bagel & Lox (R$ 29, na foto), gostoso sanduíche de salmão defumado da casa, cream cheese, dill e picles de cebola roxa, no pão bagel tostado (e assado na casa). A cozinha é comandada pelo chef Beto Tempel (ex-Red e Le French Bazar) e o salão, pela sua mulher, a simpática Andrea.

 

Screen Shot 2014-03-26 at 6.55.04 PMA inspiração da casa são as delis nova-iorquinas, com forte presença de salmão, rosbife e pastrami no cardápio – que é servido sem interrupção, até as 19h. No almoço, entre 12h e 15h, há a opção de bufê de saladas (R$ 35), com quiche, patês, cebolas caramelizadas, por exemplo, ou acompanhando alguma das especialidades (R$ 43), como o salmão gravlax, o rosbife ou uma massa.

 
foto 3Meu sanduíche preferido foi o Reuben (R$ 28, na foto), um lanchão feito com pastrami artesanal, queijo emmenthal derretido, no pão de centeio, servido com mostarda Dijon e repolho agridoce. Achei um caso sério…
Entre as 9h e 12h, a deli serve alguns combos de café da manhã, e aos sábados a casa funciona até 17h. Ah, ali também há um empório com itens da casa, como conserva de cebola roxa agridoce (R$ 9/ 250gr).

LoxDeli 
- Rua Batatais, 403, Jardins, tel. (11) 3051-6020

Jantar da Gastromotiva em Nova York arrecada US$ 100 mil

O chef Daniel Humm entre David Hertz, da Gastromotiva, e a jornalista  e foodie Alessandra Forbes

O chef Daniel Humm, do Eleven Madison Park, entre David Hertz, da Gastromotiva,      e a jornalista-foodie Alexandra Forbes, organizadora do evento

Start spreading the news! Na última segunda-feira, dia 24, o Eleven Madison Park, de Nova York, recebeu 120 convidados num jantar beneficente em prol da Gastromotiva, organização criada por David Hertz, que promove a inclusão social de jovens de baixa renda por meio da gastronomia. O evento arrecadou cerca de US$ 100 mil.
O restaurante, comandado pelo chef Daniel Humm, é considerado 5º melhor do mundo. O jantar de cinco tempor foi executado pelo próprio chef Humm. Quer saber o menu? Salada de pêra com buttermilk e trufa negra; lagosta com alho porro; cogumelos grelhados com ovo de codorna, pinoli e alho; carne em crosta com aipo e trufa negra e torta de avelã com sorvete de caramelo e café.
Além do jantar, o evento teve um Silent Auction de artigos de luxo, doados para ajudar na arrecadação. Entre eles, havia jóias de Ara Vartanian, vinhos de Sherry-Lehmann, uma semana na Villa Quinta de Covela, em Portugal, um jantar para 10 pessoas feito especialmente pelo chef Luca Gozzani, do Fasano, e móveis Casapronta.
O dinheiro arrecadado será destinado à formação de 65 alunos da nova turma de estudantes no posto da Gastromotiva no Rio de Janeiro, ao lado do Complexo do Alemão, inaugurado em 2013. Belíssima iniciativa de promover bem-estar e reduzir a desigualdade social por meio da comida. Já pensou se isso se multiplicar?