Pad thai: o macarrão tailandês pra deixar convidados felizes

padhtai2Em janeiro, fiz um curso de cozinha asiática com o chef Carlos Ribeiro, no Na Cozinha, e acabamos preparando uma das coisas de que mais gosto na culinária tailandesa: pad thai. Feito com macarrão de arroz, camarão e porco (ou frango), essa receita é um ótimo coringa quando você tem um jantar pra 4 ou 5 pessoas: não é difícil, é gostoso e impressiona. Fiz num almoço de domingo (para seis!) e sobrou quase nada! Vamos lá?


Ingredientes

350 g de camarões limpos
150 g de camarões secos, sem cabeça
300 g de talharim de arroz (ou um pacote)
5 colheres de sopa de óleo de amendoim
4 dentes de alho bem picados
2 pimentas dedo de moça picadas (sem sementes, se quiser menos picância)
150 g de lombo de porco em cubinhos (ou peito de frango)
3 ovos
4 colheres de sopa de nam plá (molho tailandês de peixe fermentado)
3 colheres de sopa de suco de tamarindo
2 colheres de sopa de açúcar mascavo
200 g de moyashi (broto de feijão)
50 g de amendoim torrado e salgado (dê uma picada grosseira nele)
3 colheres de sopa cebolinha picada
1 cebola frita crocante
Suco de um limão
Coentro a gosto
Sal e pimenta a gosto.

Modo de preparar
A massa de arroz seca pode ser preparada em água fria, por meia hora, até ficar mole (siga as instruções da embalagem). Se preferir fazer em água fervente, deixe para preparar quase no fim do processo, pois o talharim de arroz gruda facilmente.
Bata levemente os ovos e faça uma espécie de omelete fina, numa frigideira de fundo médio. Quando estiver pronta, deixe esfriar bem. Só então, corte em tiras bem finas e compridas e reserve. Corte a cebola em rodelas e frite até que friquem crocantes. Reserve.
Esquente bem uma frigideira wok (ou qualquer outra de fundo bem largo, ou até uma paelleira) com o óleo de amendoim. Coloque a carne de porco (ou frango) e deixe dourar um pouco. Tempere com sal e pimenta e continue dourando. Acrescente o alho picado e a pimenta dedo de moça, mexendo sempre por cinco minutos.
Afaste tudo para as bordas da frigideira e coloque os camarões frescos, refogando por mais uns minutos, até que fiquem rosados. Junte o macarrão escorrido, sempre mexendo, para que ele frite um pouco. Continue mexendo e  adicione o açúcar mascavo, o molho de peixe, o tamarindo, os camarões secos e as tirinhas de ovo. Depois de uns minutos, junte o suco de limão, metade do moyashi, a cebola crocante, amendoim, cebolinha e coentro. Na hora de servir, jogue o restante do moyashi, misture bem e pronto!

 

Vamos almoçar melhor? Hoje, os menus do Bravin

mioloA dica de almoço executivo de hoje é uma novidade: o Bravin, restaurante charmoso da querida sommeliere Daniela Bravin, passou a funcionar também no almoço de segunda a sexta. O foco do menu são receitas brasileiras e ingredientes nada óbvios (miolo, moela, língua), além de clássicos da casa. Um dos pratos mais surpreendentes que provei foi o miolo à milanesa com creme de milho e salada de escarola (R$ 29). Antes que você torça o nariz, entenda: o miolo é prensado e vira uma espécie de bife, que chega à mesa empanado, crocantes, bem saboroso e sequinho, acompanhado do creme de milho espesso, generoso.

espaguete_moelaAlém do miolo, a seção dos “comerciais” (todos os pratos a R$ 29) conta com um delicioso espaguete com sardinha em pedaços e pimenta biquinho, língua ao molho madeira com purê de batatas e meu segundo preferido do menu: arroz cremoso com moela e ovo frito, uma reunião bem equilibrada de sabores intensos. Aliás, achei a cozinha do Bravin melhor do que nunca, mais regular e bem acabada: todos os pratos que provei estavam gostosos e bem executados. Dá vontade de comer mais e mais. O cardápio também tem a opção de menu executivo. Dê uma olhada abaixo. Continue lendo

Rede vegetariana da Holanda abre loja em SP

maoz01Outra  novidade de fevereiro foi a chegada da Maoz ao Brasil. A rede holandesa de fast-food vegetariano já contava com 24 lojas (15 nos EUA e 9 na Europa) e desde o dia 17 serve seu famoso falafel (bolinho de grão de bico) na Rua Augusta, em SP. A estrela da casa é o Maoz Falafel (R$ 11,50), um sanduíche de pão pita (tradicional ou integral) com cinco unidades do bolinho e alface. Daí você recheia o lanche no balcão de saladas e acompanhamentos (como cenoura, pepino em conserva, tomate com cebola, berinjela, coleslaw etc.) e molhos (tahine, iogurte, holandês). Você também pode pedir uma porção à parte de babaganuche, coalhada ou homus (R$ 1,20 cada) ou dispensar o pão e pedir o Salad Box (R$ 12,50), com três unidades de falafel – mas cabe mais salada.

maoz2A casa tem sucos de frutas por R$ 4 (o de melancia é muito bom). O Maoz anuncia  a porção de batatas assadas (belga ou doce), por R$ 5, mas já fui lá três vezes e não anda não havia chegado. Numa das visitas, fui com um amigo que morou dois anos em Amterdã e conhece bem a casa. Segundo ele, o ambiente é bem mais espaçoso, a comida daqui é melhor, mas o pão usado aqui é problemático: conforme você coloca os recheios, ele “rasga” – na Holanda ele seria mais “elástico”, diz meu amigo. Quando o pão quebra, os ingredientes caem na sua bandeja – na foto ao lado, dá pra ver que eu nem tinha começado a comer e o pão já estava rasgando . E não adianta pedir talheres de plástico: os funcionários dizem que talher é só pra quem pediu o box de salada. Oi?
Bem, apesar disso, achei o Maoz é uma boa pedida pra uma refeição rápida, gostosa e sem carne. Vamos aguardar agora as batatas  – e um pão melhor.

Maoz – Rua Augusta, 2542, Jardins, tel. (11) 3063-1675.

Vamos almoçar melhor? Hoje, Bistrot de Paris

foto 3Devido ao sucesso do meu post sobre bons almoços executivos pelos Jardins, resolvi visitar mais lugares pelas redondezas e descobri ótimas oportunidades de almoçar bem pagando bem menos do que se imagina. Hoje vou falar do Bistrot de Paris. A simpática casa, que fica ao fundo de uma vilazinha na Rua Augusta, passou por uma reformulação em novembro, quando o chef Allain Poletto assumiu a cozinha. O menu voltou-se para a genuína comida de bistrô, com receitas bem tradicionais e preços razoáveis. Desde o começo do mês, o restaurante também mudou seu menu executivo. Agora você escolhe o prato principal e, pagando só preço deste item, come também uma entrada e uma sobremesa – ou toma uma taça de vinho. No dia em que fui lá, pedi o steak tartare (R$ 39), uma boa porção bem temperada, ótima para esse calor senegalês. Continue lendo

Yes, nós temos coxinha – e ela é bem gostosa

coxinha1Hey, Nigella! Tem coxinha nova no pedaço – e melhor do que aquela que tanto te encantou. Pois é, acabou de abrir na Rua Augusta, a menos de um quarteirão da av. Paulista, a primeira filial da Padaria Brasileira, empresa surgida em Santo André há 60 anos, que virou a rede de padocas mais premiada do ABC paulista. Principalmente pela famosa coxinha de frango com caturpiry (tem outros seis sabores, como toscana e carne seca).

coxinha2Como sou muito fã desse salgado – e trabalho a três quadras da Brasileira – já fui ali quatro vezes para ter certeza que essa coxinha (R$ 4,90 a unidade) é mesmo a tal. E é. Com fritura sequinha, com massa macia e recheio bem homogêneo e deliciosamente temperado, a coxinha deles é uma das melhores que já provei em padarias. E como vende bem, tem sempre uma nova leva saindo, ou seja, está sempre fresquinha e quente. E ainda fiz o teste de levar pra casa e comer meia hora depois – e a danada estava gostosa. Mas não só de coxinha vive a Brasileira e almocei ali duas vezes. Vem comigo que te conto mais.

Continue lendo

Novo sorvete é uma loucura

Meu preferido: Pazzo de iogurte grego com cerejas. A marca tem outros 11 sabores

Meu preferido: Pazzo de iogurte grego com cerejas. A marca tem ainda outros 11 sabores

E já que o assunto é calor, tem sorvete novo no pedaço. Quarta-feira passada fui até o Bar da Dona Onça para o lançamento do sorvete Pazzo, qye quer dizer “louco” em italiano (e se diz “pátsso”). Pelo nome, achei que era uma homenagem ao Marcelo Katsuki, porque a vó é meio louca mesmo, mas a marca diz que o objetivo é “trazer a cada mordida aquela dose mínima de loucura que nos torna mais interessantes, engraçados, divertidos e apaixonados”. Poético, não?
E gostoso também. A marca aposta na receita de sorvete premium, com leite e creme de leite fresco em sua calda-base e menos ar incorporado, para aumentar a textura macia e aveludada, como se fosse sorvete de massa no palito. São 12 sabores, entre eles frutas vermelhas (75 cal.), pistache (155 cal.), alfajor (191 cal.) e meu preferido:  iogurte grego com cereja selvagem. Esse é também o mais calórico (238 cal.), mas é uma deliciosa sobremesa de palito. Os preços varias de R$ 5 a R$ 7 e os pontos de venda estão no site da marca: www.pazzogelato.com.br
Ah, o Bar da Dona Onça (Av. Ipiranga, 200, República) também venderá a delícia.

Mexilhões da Patagônia pra driblar o calorão

foto 1Ok, já sei que você está morrendo de calor, que é difícil até comer com esse clima abafado etc. Eu também me sinto assim (mentira, continuo comendo de tudo, mesmo se o termômetro bater nos 47º). Enfim, nesse calorão a dica de hoje é o festival de mexilhões do restaurante Chef Rouge, que começou dia 7 e vai até dia 28 de fevereiro. O chef Wagner Resende montou um menu com cinco receitas que levam o mexilhão da Patagônia. A mais clássica, Moules & Frites (mexilhões à Provençal com fritas crocantes), vem em dois tamanhos: entrada (R$ 49) ou como prato principal (R$ 55). No dia em que visitei o restaurante, pedi como entrada (na foto). Acho uma boa, para quem quer degustar outros itens do festival.

foto 2Provei alguns itens do menu na sexta e a receita mais surpreendente foi o taco (R$ 42, na foto), uma tortilla bem crocante, fartamente recheada com uma mistura de mexilhões e feijões brancos e salada. Acompanham dois molhos: guacamole e maionese de mexilhão meio picante. Comi até com a mão! A outra entrada é o folhado de mexilhões com salada verde (R$ 39). Os principais são Bar au Créme de Moules et Artichauts (R$ 76), gostoso robalo macio, ao creme de mexilhões e alcachofras, e ravióli de mexilhões (R$ 67) com creme de salsinha e alho. Repito: o festival de mexilhões acaba dia 28/02.

Chef Rouge - R. Bela Cintra, 2.238, Jardins, tel. (11) 3081-7539; e Morumbi Shopping – Av. Roque Petroni Júnior, 51, piso Terraço, tel. (11) 5181-9749

Zena faz 5 anos e amplia o menu

pato

Nhoque com ragu de pato: meu novo prato preferido no Zena

Parece que foi ontem que conheci o chef Carlos Bertolazzi e seu Zena Caffé. Mas esse mês a casa do Bertz comemorou cinco anos! E pra celebrar a data – e também uma premiação popular que elegeu seu nhoque como o melhor e São Paulo – , o chef colocou algumas novidades no menu e hoje fui lá provar. E por falar em nhoque, agora são quatro: além do tradicional, há o Gnocchi all’ anatra, com ragu de pato (que comi e adorei), o Gnocchi Braccioforte, com mexilhão e vôngole, e o Gnocchi alla Bolognese, com ragu de carne (todos por R$ 35/ R$ 47). Quer saber mais?
Continue lendo

Na Cozinha faz menu temático para celebrar Iemanjá

huaca

Arroz de huaçá: um dos pratos principais do menu em homenagem a Iemanjá

E dá-lhe mais Iemanjá! Dessa vez, a homenagem ao famoso orixá vem do restaurante Na Cozinha. O chef Carlos Ribeiro servirá um menu especial apenas no almoço de sexta (31) e sábado (1º). Nas entradas, tem bobó frito de camarão (R$ 31,50, seis unidades) ou Dupla Baiana (R$ 30), com acarajé e abará com vatapá, camarão seco, vinagrete e pimenta. Entre os principais, tem arroz de huaçá (R$ 43,60), arroz refogado no leite de coco, camarão e carne seca; ou moqueca baiana (R$ 101,74 para duas pessoas), com peixe e camarão. A sobremesa é manjar de coco com calda de ameixa (R$ 10).

Na Cozinha – R. Haddock Lobo, 955, Jardins, tel. (11) 3063-5377, www.restaurantenacozinha.com.br

Trifle de bolo de laranja e frutas vermelhas: fácil e lindo

trifle1Quer impressionar com uma sobremesa linda e fácil de preparar? Essa foi a última receita que fiz em 2013 (dia 31 de dezembro mesmo) e fechei o ano com chave de ouro: trifle de laranja e frutas vermelhas. O nome é difícil, mas a guloseima não é. Peguei no livro da Nigella Lawson (sim, eu continuo explorando Na Cozinha com Nigella bravamente!) e a receita funcionou muito bem. Primeiro você faz um bolo de geléia de laranja – se estiver com preguiça de fazer o resto, pode parar por aí porque o bolo já é uma delícia. Mas sugiro que você não pare aí, pois a parte do trifle em si é muito simples e não demora quase nada. Vamos lá?

trifle2Trifle de de laranja e frutas vermelhas

Ingredientes para o bolo
250 g de manteiga sem sal
75 g de açúcar refinado
75 g de açúcar mascavo
150 g de geléia de laranja
225 g de farinha de trigo
4 ovos
½ colher de chá de bicarbonato de sódio
1 colher de chá de fermento em pó
Casca ralada e suco de 1 laranja (usei a Bahia)

Coloque todos ingredientes da massa em um processador de alimentos e bata. Despeje em um pirex untado de 24 cm (a massa não pode ficar muito alta no pirex, senão demora para assar e acaba queimando).
Se não for usa um processador, barra a manteiga e os dois açúcares à mão ou em uma batedeira. Depois incorpore a geleia de laranja e então os ingredientes  secos. Depois os ovos e, finalmente, a casca e metade do suco de uma laranja. Despeje no pirex.
Coloque no forno pré-aquecido a 180 graus. Asse por 40 minutos, mas verifique depois de meia hora. Faça o teste do palito – quando sair seco, o bolo está pronto. Se quiser parar aqui, faça um glacê para servir. Use a outra metade do suco de laranja e mais 75 g de geleia de laranja. Aqueça ambos numa panela pequena até que os ingredientes tenham derretido e  misturado bem. Passe sobre o bolo com um pincel e pronto. Quer fazer o trifle, em vez disso? Siga abaixo.

Ingredientes para o trifle
50 ml Cointreau (ou outro licor de laranja)
350 ml de creme de leite fresco
300 g de frutas vermelhas (pode ser amora, framboesa e blueberry)
Casca ralada e suco de 1 laranja (aprox.. 100 ml)

Corte o bolo em grandes cubos e arrume sobre um prato largo e raso. Salpique com o licor de laranja. Despeje o suco de laranja sobre os pedaços de bolo embebido em licor e reserve. Bata o creme de leite até engrossar, mas não muito. Eu adicionei um pouco de açúcar (pouco mais de uma colher de sopa), e funcionou bem. Espalhe esse quase-chantilly por cima dos pedaços encharcados de licor e suco. Arrume as frutas vermelhas por cima do creme batido e salpique com a casca de laranja ralada. Sirva e arrase.