Embrulhado… e molhadinho!

Hummm... Bolo de coco gelado e embrulhado da Carole Crema, macio e molhadinho

Adoro aquele bolo de festa, que vem embrulhadinho no papel alumínio. Quando bem-feito, ele parece super simplesinho. Daí você morde e tem aquela mega surpresa: o bolo está molhadinho, o sabor enche sua boca e em segundo você já está abrindo o segundo pedaço. Pois bem, a chef Carole Crema, do La Vie en Douce, passou pra gente uma receita bem facinha desse bolo de coco gelado. Logo logo convenço a chef a dar a receita de seus brigadeiros de colher, que são inesquecíveis. Daí a festa tá pronta!

Continuar lendo

Anúncios

Decepção à portenha

Cheesecake com doce de leite e café: parecia tudo bom demais, porém...

Hoje resolvi fazer diferente e fui almoçar no shopping Villa Lobos com meu amigo Bruno Segadilha. Almoço rapidinho, de meio de semana mesmo. Mas na saída convenci Bruno a dividir uma sobremesa – tão bom dividir o peso da culpa calórica. Resolvi apostar no certo: o cheesecake com doce de leite da Havanna. E um cafezinho. Daí que o certo saiu errado.
Primeiro: na hora do pedido, quis incluir uma garrafinha de água, porque o cheesecake é bem doce e uma aguinha vai bem depois dessa bomba calórica. A garçonete me disse que ali só água com gás. Desisti da água e fui na combinação café + cheesecake (pra dividir, olha a culpa!). Que decepção! O cafezinho (que custa R$ 3,60) veio sem aquele shot de água mineral (essa sim, com gás) e nem o coraçãozinho de chocolate recheado com doce de leite. Senti saudade da Kopenhagen, Amor aos Pedaços, Rascal ou qualquer outro lugar que dá um docinho junto com o café! Enfim, vamos ao doce.

Continuar lendo

Jamie viaja e a gente saliva

Hummm! Abobrinha gratinada que Jamie aprendeu a fazer na França

Desde que vi Jamie Oliver pela primeira vez no seu antigo programa The Naked Chef, que passava aqui no canal GNT, me encantei pelo seu jeitão despojado, o ar despretensioso e a pegada mega pop com que fazia culinária na TV. Ele era bem diferente – e muito mais divertido – da maioria dos cozinheiros da telinha, mesmo que às vezes parecesse um tanto desajeitado. Como não cozinho muito, acho que foi exatamente esse jeito meio atrapalhado, nada espartano, que me atraiu. Depois descobri seus livros e daí gostei dele mais ainda.

Continuar lendo