Receitas dos clássicos do Mocotó para um réveillon brasileiro

Pra fechar o réveillon com chave de ouro: pudim de tapioca com calda de coco queimado, do chef Rodrigo Oliveira. Hummmm!

Ai, que dureza! Encerrei os almoços deste ano tão agitado e gastronômico num dos melhores restaurantes de gastronomia brasileira de São Paulo (e do Brasil), um local que conheci há quase cinco anos graças ao amigo Marcelo Katsuki. Sim, estou falando do Mocotó, casa de comida nordestina do querido chef Rodrigo Oliveira, na Vila Medeiros. Inspirado pelo almoço delicioso desse fim de ano, peguei três receitas (entrada, prato e sobremesa) que farão sucesso certeiro na ceia de ano novo: os divertidos dadinhos de tapioca com  queijo de coalho, o clássico escondidinho de carne seca e o inesquecível pudim de tapioca com calda de coco queimado. Então bote um forró no iPod, bote um avental decente e vamos colocar um belo sotaque pernambucano no seu réveillon. Continuar lendo

Anúncios

A pizza que veio do mar

Occhio de bue, a estrela da casa: massa napoletana, coberta com queijo stracchino derretido, um ovo estrelado no centro e raspas de trufa. Intensa - e maravilhosa

A pizza é um dos orgulhos de São Paulo. Aliás, sempre digo que há um caso de amor entre os paulistanos e suas pizzas. E eu sou um dos mais apaixonados. Assim, fui cheio de curiosidade conhecer a nova Maremonti Jardins. A pizzaria já existe há 10 anos, com sucesso, na Riviera de São Lourenço, no litoral norte paulista. Aqui, abriu num endereço nobre, um casarão bonito numa esquina dos Jardins, vizinha de casas como D.O.M. e Dalva e Dito. Ok, tudo muito bacana mas… e a pizza? Faz jus à nova cidade onde escolheu pra morar? Vem comigo que eu conto. Continuar lendo

Vem! Receita de um drinque gostoso e bem fácil pra noite de Natal!

Bitter sweet martini: gostoso, fresco... e perigoso!

Que tal a receita de um martini bem diferente pra sua começar a noite de Natal? O bitter sweet martini é uma criação do barman paulista Rafael Pizanti, que comanda o balcão do Bar do Copa, no Rio. Foi com esse drinque que Rafael ganhou o título de melhor barman brasileiro na competição Diageo Wold Class 2010, e foi à Grécia para a final mundial. Coquetel simples de fazer, com ingredientes fáceis de encontrar, cor sedutora e um sabor único, pouco doce, com um levíssimo amargor e bem fresco. Delicioso! Porém, cuidado: é facinho de beber e parece fraco, mas é feito de gim. Vai que depois do terceiro, sua tia já vai estar dançando com a árvore de Natal – isso se ela já não estiver chorando com o CD da Simone. Então, compre os ingredientes agora, coqueteleira e gelo à mão e… manda ver!
Continuar lendo

Spago: um toque de Little Italy no Itaim

Spaghetti meatballs: espaguete com almôndegas como o que nossa nonna fazia

Outro dia fui almoçar com as queridas Roberta Malta e Alessandra Blanco no novo Spago. Na verdade, novíssimo: aquele era o primeiro almoço “oficial” da casa de Carlos Bertolazzi. O restaurante, porém, já era assunto nas redes sociais havia quase duas semanas, graças às suas noites de degustação e a atividade frenética de Bertolazzi no Twitter. Mal abriu e o restaurante já tem mais fãs do que a Claudia Leitte! Ok, brincadeiras à parte, chegando lá me senti tão à vontade que realmente parecia uma casa veterana na minha vida. E o que se come ali? Continuar lendo

Um peru pra deixar sua família impressionada

Fui eu que fiz! Mentira! Foi a Maria Helena Guimarães, do Ritz,, mas ela é legal e deu a receita pra gente tentar impressionar os parentes na ceia de sábado

Pronto, bastou postar o peru de Natal que comi no Ritz ontem que o pessoal já quer saber como faz pra experimentar. Como eu disse aqui, esse peru só é servido no restaurante uma vez por ano; agora tem de esperar 2012. Mas olha só como o titio aqui é carinhoso com seus leitores: descolei a receita da iguaria com a Maria Helena Guimarães, uma das sócias da casa e criadora das delícias servidas ali. Com uma diferença: em vez de chutney de cranberry, esse é acompanhado chutney de cerejas, mais fáceis de encontrar! Entâo, desliga esse CD de Natal da Simone, arregace as mangas e bora pra cozinha para impressionar a família na ceia de sábado. Continuar lendo

A união faz o blend

A cachaça da Tulha Edição Única 2001: o blend especial vem com rótulo feito com pedaços de um... quadro!

Essa ainda dá tempo pra virar de presente de Natal – ou comprar pra si mesmo. Pelo quinto ano consecutivo, a Cachaça da Tulha lança sua Edição Única, um blend exclusivo criado por convidados especiais, apreciadores do destilado. A Edição Única 2011 nasceu da reunião de cinco paladares muito especiais: a chef Helena Rizzo, do restaurante Maní, a mestre de torra e barista do Coffee Lab, Isabela Raposeiras, o chef Rodrigo Oliveira e o cachacier Leandro Batista, ambos do restaurante Mocotó, além de Julia Mercadante,representando a marca.
Supervisionados por especialistas do destilado, os convidados provaram cachaças armazenadas em diferentes tempos (de um a dez anos) e tipos de madeira. O grupo foi  testando várias probabilidades, até definir uma sétima versão, eleita entre a quinta mistura, mais equilibrada, e a sexta, mais doce. Assim chegaram ao blend de 40% de amburana (5 anos), 30% de carvalho europeu (4 anos) e 30% de bálsamo (4 anos). Mas tem outra novidade muito legal. Veja aqui! Continuar lendo

Perus e patos já estão pela cidade

Que delícia MESMO! Pain perdu (rabanada de brioche) com brandade de bacalhau, e molho bisque de camarão, a entrada do menu de Natal do Chef Rouge

Está chegando a Noite Feliz. Mas os perus e menus especiais de Natal já estão à toda em vários restaurantes da cidade. Hoje mesmo comi o peru de natal do Ritz, com  farofa de castanha portuguesa e chutney de cranberry (R$ 55) e quase faleci de alegria. Pena que era só hoje… Porém, boa notícia: a chef Renata Braune, do Chef Rouge, preparou um menu para celebrar o Natal que estará disponível nas duas unidades da casa até dia 31 de dezembro. Não provei, mas só de ver as fotos (da ótima Bettina Fiuza) já comecei a cantar Jingle Bells sozinho na minha casa. Vamos ver o que tem no menu? Continuar lendo

Finger food à chinesa pra jantar nesse calorão

As cestinhas de dumplings, com bolinhos cozidos no vapor, no Ping Pong. O verde tem massa à base de cebolinha francesa e o pretinho é feito com tinta de lula

Apesar de ser um guloso contumaz, em noites muito quentes muitas vezes não tenho pique de jantar pra valer. Curto muito ficar com amigos tomando uns drinques e comendo petiscos, finger food e por aí vai. Para quem curte esse tipo de refeição mais informal, uma boa nova: o Ping Pong lançou um menu com cinco pratos e um drinque, que serão servidos até fevereiro nas duas unidades do restaurante. São os Specials, que conheci semana passada e gostei muito. Continuar lendo

A corrida da cerveja

Começa hoje a Route Rogue, gincana de 20 bares servindo a premiada cerveja com preços menores

A badalada – e premiada – cerveja americana Rogue começa hoje uma ação de marketing na cidade estilo gincana. É a Route Rogue: de hoje até dia 19 de fevereiro, 20 bares de São Paulo fazem parte de um rota onde os cervejeiros e fãs da marca podem tomar a cerveja a preços promocionais (na verdade, cerca de 10% mais barata). No primeiro local escolhido, o seguidor compra uma das cervejas ou chopp Rogue que estão no cardápio (R$ 37 a garrafa de 650 ml e R$ 18 a long neck ou o chope). Daí recebe um passaporte, que será carimbado em todas as casas que passar. Me lembrou o caminho de Santiago, só que com álcool e sem a parte religiosa. Ou seja, nada a ver, viagem minha, né? Enfim, quem completar a maratona será convidado de um evento especial e ainda concorre a prêmios. Bora saber quais são? Levanta o copo e vem! Continuar lendo

A vodca do outro Gorbachev

O rótulo lembra o Império Bizantino

Boa notícia pros camaradas da vodca! Chegou ao Brasil uma edição limitada da Stolichnaya com um rótulo lindíssimo.

A garrafa traz uma obra de Yuri Gorbachev, artista plástico e fotógrafo soviético. Sim, ele é sobrinho do antigo líder da URSS, Mikhail Gorbachev, o homem que liderou a abertura da União Soviética nos anos 1980 e 1990. Abertura e dissolução da chamada Cortina de Ferro, diga-se .

Bom, enquanto o tio fazia a perestroika e o glasnost, Yuri fazia arte. Rosou o mundo expondo duas obras, até se radicar de vez em Nova York, em 1991.

Yuri já havia trabalhado para a Stoli, criando propagandas O rótulo criado por Yuri para a vodca mais famosa da Rússia traz uma linda ilustração inspirada nos quatro elementos (terra, ar, água e fogo), bem estilo Império Bizantino, cheio de cores, grafismos etc. Outra coisa boa: na edição especial, a garrafa é de 1 litro (normalmente a Stoli é vendida em garrafas de 750 ml) e custa R$ 62,90. Dicona de presente de Natal, só dizendo…