O (re) descobrimento do Piauí

Paçoca com carne de sol, do São João: uma das melhores coisas que comi na vida

Paçoca com carne de sol, do São João: uma das melhores coisas que comi na vida

Se você acha que capote é apenas um casaco mais grosso, estamos juntos! Até dois meses atrás, era a única coisa que me vinha à mente quando ouvia esse substantivo. Bem, depois de ir ao Piauí descobri que capote é como se chama galinha d’Angola, uma das proteínas mais comuns da culinária daquele Estado. O que fui fazer lá? Ver de perto o Festival Gastronômico Maria Isabel, em Teresina. Foi o primeiro evento desse porte na região, realizado pelo Sebrae-PI e com curadoria da chef Ana Luiza Trajano, do restaurante Brasil a Gosto.

Cajuína, a bebida mais típica do Piauí: tome pura, com água gasosa ou, sei lá, vodca

Cajuína, a bebida mais típica do Piauí: tome pura, com água gasosa ou, sei lá, vodca

O festival começou no dia 23 de agosto, no parque Potycabana, onde montou-se uma super tenda com 20 estandes dos restaurantes e bares participantes (cada um criou uma receita com ingredientes regionais, à venda por R$ 15), palco com shows e estandes de artesanatos, comes e bebes. Raramente vi um ar-condicionado funcionar tão bem em um local desses. Mesmo com 40ºC bombando do lado de fora, cerca de 15 mil pessoas visitaram o evento nos três dias, sem passar calor! Aliás, foram consumidos quase 7 mil pratos  (e um real de cada prato vendido será repassado para a Fundação Padre Antônio Dante Civiero).

Hora da farinhada: discos quentinhos de beiju de goma de tapioca

Hora da farinhada: discos quentinhos de beiju de goma de tapioca

Além da Potycabana, o festival também teve concurso das escolas de gastronomia locais, circuito gastronômico dos restaurantes e oficinas no Sebrae com chefs ligados ao projeto. Sim, porque dois meses antes do festival, Ana Luiza reuniu quatro chefs para uma viagem de pesquisa pela capital e interior do Piauí – a pesquisa acabou também virando um festival a dez mãos no próprio Brasil a Gosto, com pratos criados por cada chef. O festival vai até novembro (confira os pratos no meu Instagram).

Oficinas no Sebrae com Ana Luiza Trajano, Fábio Vieira e Neka Mena Barreto

Oficinas no Sebrae com Ana Luiza Trajano, Fábio Vieira e Neka Mena Barreto

Aliás, são eles a banqueteira Neka Mena Barreto (da Neka Gastronomia), a chef Mônica Rangel (do restaurante Gosto por Gosto, em Visconde de Mauá, RJ), a chef carioca Flávia Quaresma e o chef Fábio Vieira (do restaurante Micaela, em SP). Em Teresina, todos apresentaram suas criações para o festival e alguma outra receita. Outro sucesso: 910 pessoas lotaram o auditório nos dois dias de oficina (ah, o ar condicionado do Sebrae também estava de parabéns; sério, muito importante esse detalhe no Piauí!).

Quibe do sertão (carne de sol e requeijão), do Favorito

Quibe do sertão (carne de sol e requeijão), do Favorito

E aproveitando a minha visita à capital piauiense, fiz um pequeno guia dos restaurantes e locais para visitar quando estiver em Teresina – e os pratos de que mais gostei. Aproveitem, tomem muita cajuína (pura ou misturada com água gasosa) e levem roupas beeeem leves, viu?

O famoso capote selvagem com arroz. O lado mais escuro é o pregadinho.

O famoso capote selvagem com arroz. O lado mais escuro é o pregadinho.

Favorito (R. Angélica, 1059, tel. (86) 3332-2020) – O Favorito está para Teresina como o Parraxaxá está para Recife: é o restaurante de comida típica mais famoso e amado pelos próprios moradores – as numerosas mesas nos almoços de domingo são bem concorridas. O menu é enorme e provei um pouco de tudo, mas do que mais gostei foram o arroz de capote selvagem, que vem com uma porção de “pregadinho” (aquela parte do arroz que “pega” no fundo da panela e absorve sabores incríveis). Custa R$ 119,90, mas vem numa porção pra quatro pessoas. Também o capote frito com farofa de farinha d’água e manteiga de garrafa (R$ 119,90) e um inusitado quibe do sertão: bolinho de macaxeira com carne de sol e requeijão (R$ 29,80, oito unidades).

 

Melhor carne de sol que já comi e um coalho com melaço pra nunca esquecer

Melhor carne de sol que já comi e um coalho com melaço pra nunca mais me esquecer

São João (R. João Cabral, 2274, tel. (86) 3213-1472) – O salão estilo “simplão” não entrega de cara, mas ali é servida uma das melhores carnes de sol que já comi nos meus vários anos de vida (nem pergunte porque não revelo esse número facilmente, ok?). Invista fortemente no filé de carne de sol (R$ 92, pra duas pessoas no mínimo!), que vem com baião de dois, vinagrete e uma macaxeira cozida quase cremosa de tão macia. Ah, ali também é servida a melhor paçoca de carne de sol com banana que comi no Piauí e uma imensa placa de queijo de coalho grelhado com melaço. Recomendo fortemente e volto assim que puser meus pés novamente no Piauí.

 

A bela Renata com suas delícias, como o bolo de sal

A bela Renata com suas delícias, como o bolo de sal (centro) e o de caroço (à esq.)

Bolo de Vó (R. Angélica, 1479, tel. (86) 9442-8385) – Uma pequena jóia (é pequenino mesmo) cheia de delícias. O café comandado pela simpaticíssima Renata serve bolos típicos, como o sensacional e macio bolo de caroço (às 16h sai uma fornada quentinha, #ficadica), o famoso bolo de sal (ou bolo de goma), um hit dos cafés da manhã, e outras delícias como as petinhas (biscoitinhos crocantes de tapioca) e bolos doces variados. Não peguei o preço de nada, de tão atarantado. Mas certamente vale a pena o investimento.

 

Camarão na chapa e patinhas de caranguejo, do Elias

Camarão na chapa e patinhas de caranguejo, do lendário seu Elias

Camarão do Elias (R. Pedro Almeida, 457, tel. (86) 3232-5025) – Um dos melhores lugares para fechar a noite em Teresina. Se der sorte, você ainda topa com o lendário “seu Elias”, fundador desse bar-restaurante já clássico na cidade – existe desde os anos 1980! A especialidade é… camarão (duh!) E eu enchi o bucho com um dos itens mais pedidos de lá: camarão na chapa com estragão e alcaparra (R$ 60). Mas não deixe de provar as patinhas de caranguejo maranhense (R$ 30), super cremosas e com sabor marcante. E peça uma caipirinha de caju com limão e cachaça Lira – se você der sorte de ser época de caju (em agosto quase não tinha a fruta). Senão, vá no clássico limão, que acompanha bem o camarão.

 

Carne de sol cabocla e o ótimo feijão tropeiro do chef

Carne de sol cabocla e o ótimo feijão tropeiro do chef

Grelhatta (Av. Lindolfo Monteiro, 1239, tel. (86) 3305-6929) – O jeitão de churrascaria “típica” desanima um pouco: salão com luz muito clara, TV bombando na parede, salão sem muita personalidade. Mas… supere isso e insista, porque a comida é ótima. E se for ali à noite, esqueça um pouco o calor e sente nas mesas do lado de fora, que têm seu charme e mudam a experiência. O extenso menu tem alguns destaques, como o feijão tropeiro do chef (R$ 23,90), com os grão quase al dente e um tempero impecável. Outra pedida certa é a carne de sol cabocla (R$ 75,90, pra duas ou três pessoas): filé com molho de tomate, purê de abóbora e uma inesquecível farofa de ovos. Ah, sim, ali também tem um ótimo arroz Maria Isabel (prato tão típico do Piauí que até deu nome ao festival).

 

Chocolate e bacuri, uma mistura que deu certíssimo

Chocolate e bacuri, uma mistura que deu certíssimo

La Pâtiserie Favorito (Av. N. Sra. De Fátima, 2575, tel. (86) 3232-4414) – Mais uma das seis casas (!) do grupo Favorito, esse misto de café e doceria é um encanto. Além de sanduíches, comidinhas, lanches e combos de café da manhã, as estrelas da casa são os doces elaborados no estilo “quando a França encontra o Piauí. Como a arrojada combinação de chocolate e bacuri (R$ 10,10) na foto. Também provei um prosaico mil-folhas, bastante honesto, pelo mesmo preço acima.

 

Os bolos fritos da Socorro (vulgo Help) e a incansável dona Francisca

Os bolos fritos da Socorro (vulgo Help) e a incansável dona Francisca

Quer mais algumas dicas rápidas para sua estada em Teresina? Visite o Mercado do Mafuá, simples e bagunçado, mas onde você compra um ótimo azeite de babaçu da dona Francisca (quase 90 anos de idade e está lá, firme e forte todos os dias) e come o famoso bolo frito com café da Socorro (a barraca diz “da Help” porque Socorro era muito grande e não cabia).

 

Meu café com condições. Desculpa aí...

Meu café com condições. Desculpa aí…

Dê uma passada no ateliê da artista plástica Kalina Rameiro (R. José de Lima, 510, tel. (86) 3233-1278). Tem desde peças de decoração (me apaixonei pelas esculturas de corações de madeira com desenho rendado), até bolsas e acessórios, como esse colar feito com espeto de babaçu e pedras regionais. Ah, se der sorte você ainda toma um delicioso café da tarde, com bolo de milho. Me emocionei com o jogo de xícaras douradas, que apelidei de “café com condições”. Sim, sou um tonto.

kalina atelie

O ateliê de Kalina e seu surpreendente trabalho com materiais regionais

Se quiser ver mais dessa viagem, postei um montão de fotos no meu Instagram, a partir daqui. Boa viagem!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s