Barulhinho bom: receita fácil de croquete crocante de milho

croquetes fritos Quando comemorei meu aniversário em casa, em julho, fiz um jantarzinho com algumas receitas que adoro (fideuá e frango spicy com laranja, por exemplo) e um bolo de gengibre. Minha cunhada Patrícia Cardoso se incumbiu de preparar as entradas, que acabaram fazendo tanto (ou mais) sucesso quanto os pratos principais: esfihas folhadas de carne e coquetes crocantes de milho. A primeira é meio complicada, mas em breve postarei a receita. Já os croquetes são bem simples de fazer – sábado meti a mão na massa e ficaram ótimos. Então, manda ver!

Croquetes Crocantes de Milho

croquete recheioIngredientes
2 latas de milho verde, lavado e escorrido
2 xícaras de leite integral
2 colheres de sopa de margarina
1 cebola bem picada
2 dentes de alho bem picados
1 pimenta dedo de moça, sem sementes, cortada em tiras fininhas (eu coloquei duas, mas esse sou eu, né?)
4 xícaras de farinha de trigo
200 g de mussarela (compre em pedaço grande e corte em palitos de uns 4 cm de comprimento para rechear os croquetes)
1 clara
Macarrão cabelo de anjo (aletria) todo quebradinho (para empanar)

croquetes montadosModo de fazer
No liquidificador, bata o milho e o leite até ficar homogêneo. Numa panela média pra grande, aqueça a margarina e refogue a cebola até murchar. Daí junte o alho e a pimenta dedo de moça, tempere com sal e pimenta do reino a gosto, e refogue um pouco mais.
Despeje na panela o milho batido com leite e deixe ferver. Quando começar a levantar bolhas, vá adicionando a farinha aos poucos, mexendo até a massa desprender da panela. Provavelmente você não vai usar toda a farinha aqui – reserve o restante para a próxima etapa.
Assim que desprender, tire do fogo (pois a mistura queima fácil) e coloque sobre uma superfície fria (e bem limpa!). Espere esfriar e comece a sovar a massa, adicionando farinha de trigo se a massa ainda estiver grudando muito. Assim que você conseguir formar bolinhas com a massa, já está ok.
Forme as bolinhas, amasse com um dedo, formando uma “caminha” onde você coloca o palito de mussarela. Feche cuidadosamente, no formato de croquete.
Passe um por um brevemente na clara de ovo levemente batida, apenas para “colar” o macarrão quebradinho em seguida. Reserve todos os croquetes empanados em um recipiente grande e deixe descansar na geladeira por uma hora.
Frite aos poucos em óleo bem quente, escorra bem em papel toalha e sirva. A casquinha fica bem crocante (por causa do macarrão), a massa de milho, bem macia e o recheio derrete na primeira mordida – fazendo aquele barulhinho bom (veja o vídeo aqui)!

 

Receita de Pizza de Panetone: será que fica bom?

unnamedEu sei, é um pouco depressivo pensar nisso, mas o Natal está aí. Vários estabelecimentos já estão exibindo decoração natalina e os mercados já vendem panetone, então aceita que dói menos. O que eu não esperava era essa receita bastante inusitada: pizza de penetone. O item foi desenvolvido pelo chef Ronaldo Ayres, criador do CTP- Centro Tecnológico de Desenvolvimento de Pizzas e Massas no Brasil. Será que fica bom? Não sei, mas quem quiser tentar, taí a receita. Ah, a massa de panetone você pode comprar em confeitarias especializadas. E boa sorte na experiência!

Pizza de Panetone
(rende 5 massas de pizza)

Ingredientes
Massa:
1 kg de farinha de trigo
300 g massa de panetone
5 g de fermento biológico seco
50 g açúcar
50 ml de óleo de girassol
690 ml de água gelada

Cobertura de cada pizza:
300 g creme de confeiteiro
1/2 litro de leite
150 g frutas cristalizadas
150 g uvas passas
Cerejas, pêssego e frutas em calda

Modo de preparo:
Em uma batedeira, misture a farinha de trigo com a massa de panetone e o fermento por 1 minuto. Acrescente água gelada e o óleo de girassol e bata por mais 10 minutos. Separe a massa em bolinhas de 350 gramas e coloque em vasilhas untadas com óleo, tampe e deixe descansar por, no mínimo, 30 minutos.
Abra as bolinhas em discos de 35 cm. Pré-asse a massa por aproximadamente 4 minutos em 280°C no forno convencional. Reserve.
Leve ao fogo o leite e o creme de confeiteiro e mexa até engrossar. Acrescente as frutas e cubra a massa com o creme. Leve novamente ao forno por 2 minutos a 280ºC. Decore com frutas em calda.

CTP- Centro Tecnológico de Desenvolvimento de Pizzas e Massas no Brasil – Rua Jaboatão, 127, Casa Verde, tel. (11) 3951-1000

Receita de pumpkin pie, a torta de abóbora para o Halloween

IMG_1453O Halloween chegou mais cedo em casa! Esse fim de semana testei uma receita de torta de abóbora, a famosa pumpkin pie americana). Lá, eles servem esse doce principalmente no Dia de Ação de Graças, no Natal e no Halloween. Daí que na semana passada meu amigo Carlos Casagrande comentou que estava morrendo de vontade de comer a torta e fui atrás de uma receita. Achei várias e acabei seguindo (com algumas adaptações) a do site Joy of Baking, da super craque Stephanie Jaworski. Simples e gostosa, a torta é bem fácil de preparar – a parte mais trabalhosa é fazer um purê da moranga (sim, tem de ser de moranga), que nos EUA já vem pronto em lata. Mesmo assim, é tudo bem prático de fazer o resultado fica uma delícia. Vamos lá?

Torta de abóbora

Massa
1 ¼ xícara de farinha peneirada
1 colher de sopa de açúcar
½ xícara de manteiga sem sal, fria, cortada em cubos pequenos
½ colher de chá de sal
¼ de xícara de água gelada

Num processador, misture a farinha, o açúcar e o sal. Depois, coloque a manteiga e processe por 15 segundos, até ficar bem misturada. Adicione aí a água bem aos poucos, até obter a consistência ideal da massa.
Espalhe um pouco de farinha numa superfície lisa, faça uma bola com a massa a abra um pouco, até forma um disco grosso. Ensaque e leve à geladeira por 30 minutos (enquanto isso você pode fazer o purê de moranga).
Passado esse tempo, abra a massa em um disco maior, de uns 30 cm de largura e 0,5 cm (mais ou menos) de espessura. Coloque esse disco sobre uma forma redonda de 23 cm de diâmetro, untada, e ajuste a massa para ficar bem certinha, tirando os excessos da borda e decorando como quiser (usei os nós dos dedos mesmo).
Cubra com um plástico e leve à geladeira por mais 20 minutos.

IMG_1444Recheio
3 ovos grandes
2 xícaras (450g) de purê de moranga (veja como fazer abaixo)
½ xícara de nata (se não tiver tente com creme de leite da caixinha sem soro; quanto mais gordura, melhor)
½ xícara de açúcar mascavo (coloquei um pouquinho mais, quase ¾)
1 colher de chá de canela em pó
½ colher de chá de gengibre em pó
¼ colher de chá de cravo em pó
1 ou 2 pitadas de sal
1 colher de café de maisena

Para o purê de moranga: descasque e tire as sementes de meia moranga média (cerca de 1 kg). Corte em cubos grandes. Espalhe numa assadeira, cobra tudo com papel alumínio e leve ao forno médio por uns 30 minutos, ou até que os cubos estejam macios. Espere esfriar um pouco e amasse tudo, ou passe no processador. Atenção: a abóbora solta muita água, então sugiro fazer esse purê bem antes e colocar num escorredor, para deixar o líquido sair. Eu ainda dei uma boa espremida numa peneira antes de usar no recheio (1 kg de abóbora acabou resultando em menos de 500 g de purê, que era o que precisava). Agora vamos ao recheio.
Numa tigela grande, bata os ovos brevemente. Adicione os ingredientes secos e misture bem, sem bater (não se deve bater essa recheio, apenas misturar bem).
Adicione a abóbora, e depois a nata, até obter uma mistura homogênea. Dilua a maisena com um pouquinho de água fria e misture tudo (não exagere na maisena, senão o recheio ganhará uma textura errada de pudim, e não queremos isso!).

Montagem

Aqui tem um “pulo do gato” interessante. Como a abóbora tende a soltar água, você pode criar uma camada de “proteção” entre o recheio e a massa. É fácil: toste no forno rapidamente (uns 8 min) cerca de 25 gramas de pecan, ou castanhas (misturei de caju e do pará). Moa num processador. Adicione 25 gramas (cerca de 3) cookies de gengibre, coco ou castanha mesmo (nada de chocolate nem frutas cítricas!). Espalhe essa farinha por cima da massa, no fundo da torta, e aperte bem, sedimentando a camada.
Agora sim, despeja o recheio cuidadosamente e iguale a superfície com uma espátula. Leve ao forno pré-aquecido a 200ºC por cerca de 45-55 minutos.
A torta estará pronta quando a borda da massa estiver dourada e quando você espetar uma faca no recheio e ela sair quase seca (o meio da torta sempre parece mais úmido, e tudo bem, é assim mesmo).
Retire do forno e deixe esfriar antes de comer. Você pode servir a torta pura ou com chantilly. Feliz Halloween!

Momento Masterchef: receita fácil da pastilla marocaine

Screen Shot 2015-09-11 at 5.51.33 PMTodo mundo gosta do Masterchef Brasil, não é? Pois então, eu não sou exceção e adoro o programa – e também fiquei #xatiado que a Jiang saiu! Enfim, em um dos episódios nossa chinesa favorita preparou uma pastilla marroquina (ok, ela perdeu a prova pra Izabel, que fez o mesmo e teve melhores resultados). Fiquei muito a fim de reproduzir a receita, até que meu amigo Rodrigo Cantarelli (um pernambucano que ama testar pratos) me veio com essa versão com carne moída, mais “adaptada” – em geral, a pastilla é recheada com cordeiro, frango ou pombo (!). Você pode usar essas carnes também, apenas ajuste os temperos para o frango. O que importa é: a execução é simples, o resultado é delicioso, fica um cheirinho delicioso pela casa e você ainda paga de masterchef pros amigos. Bora fazer?

Screen Shot 2015-09-11 at 5.51.18 PMPastilla Marocaine

Ingredientes:
450 g de patinho moído
1 cebola grande bem picada
2 dentes de alho finamente picado
4 colheres de sopa de óleo
1/2 xícara de passas brancas
1/2 xícara de amêndoas
1/2 xícara de pistaches
1/2 colher de chá de canela em pó
1 colher de chá de semente de cominho
5 ou 7 cravos da índia
3 anis estrelados
1 colher de chá (bem cheia) de pimenta síria moída
1 boa pitada de noz moscada
8 folhas de massa filo (comprei pronta, da Arosa, no supermercado)
150 g de manteiga clarificada derretida (pode ser a normal também)
1 colher de chá de açúcar refinado ou mascavo
Sal e pimenta do reino a gosto
1 colher de sopa de amêndoas laminadas (para decorar)
1 colher de sopa de açúcar refinado (para polvilhar)

Modo de preparo:
Refogue a cebola no óleo, depois acrescente o alho, a carne e deixe refogando mais.
Pique grosseiramente as amêndoas e os pistaches (estes sem a casca externa e sem a casquinha interna). Torre rapidamente estes frutos secos numa frigideira sem óleo, junto com o anis e os cravos, apenas o suficiente para soltar o sabor e o aroma. Um pouco antes de tirar, junte o cominho (se colocar junto ele pode queimar mais rapidamente e amargar).
Adicione tudo à carne e junte a canela, o açúcar, as passas e a pimenta síria. Tempere com sal e pimenta e deixe tudo refogando até fica bem sequinho.
É hora de montar a torta. Pegue uma forma redonda, de uns 23 cm de diâmetro, e unte com manteiga. Coloque as folhas de massa filo, pincelando a manteiga derretida uma a uma, no fundo da forma, deixando a sobra pra fora da borda. Use seis folhas para criar o fundo e as beiras.
Coloque ali todo o recheio, mas antes lembre de “pescar” o anis estrelado e os cravos. Dê uma alisada com a colher e cubra com as outras duas folhas de massa filo (sempre pinceladas com manteiga derretida!). Feche a torta com as sobras de massa que estavam pra fora da borda e coloque as amêndoas laminadas por cima.
Leve ao forno pré-aquecido entre 180ºC e 200ºC e deixe assar até a massa ficar dourada. Tire do forno, desenfome com cuidado (por sem muito fina e crocante, a massa fica mais quebradiça) e salpique com o açúcar refinado (se quiser, salpique também com um pouco de canela). Está pronta!

Um dos melhores chefs de Recife fará cinco jantares em SP

Bai„o trËs chic_crÈditos_Marina Freitas (2)

Baião Très Chic: um dos 5 pratos do menu especial do chef Joca Pontes pro Dalva e Dito

Recife é, pra mim, uma das melhores cidades brasileiras para comer fora. E não estou falando apenas de comida regional (que também é ótima). A capital pernambucana tem uma cena gastronômica vibrante, diversificada, com chefs talentosos e criativos. Um dos meus preferidos é Joca Pontes, que comanda o Ponte Nova, um dos melhores restaurantes de cozinha contemporânea do país (e não só de Recife), além de outras casas. A boa notícia é que Joca está em São Paulo para cozinhar. Entre os dias 25 e 29 de maio, o chef pernambucano vai preparar um menu especial no Restaurante Dalva e Dito, do chef Alex Atala ( jantar do dia 25 e almoços e jantares dos dias 26 a 29).

Ovo Imperfeito: ovo mollet sobre pirão de queijo, com bacon.

Ovo Imperfeito: ovo mollet sobre pirão de queijo, com bacon (fotos da Mariana Freitas)

O cardápio será feito a quatro mãos com Milton Schneider, chef da casa, e terá cinco fases. Ali estão pratos que marcaram a carreira de Joca, como o Ovo Imperfeito (ovo caipira mollet, sobre pirão de queijo ao açafrão da terra, bacon Yaguara e farofa panko) e o Baião Très Chic (arroz-da-terra puxado no creme de leite, com lascas de carne seca, uvas verdes, queijos minas padrão e coalho, com camarões grelhados e farofa de croutons por cima). Quem quiser se arriscar a fazer, a receita está aqui. E só a descrição de uma das sobremesas já me deixou salivando: Dadinhos de Chuva, ou seja, cubinhos crocantes de tapioca com coco e canela, caramelo salgado, goiaba passa e manjericão. O preço do menu fechado é de R$ 160 por pessoa, sem bebidas nem serviço, e é bom reservar antes, pois terá número limitado de lugares.

Dalva e Dito R. Padre João Manuel, 1.115, Jardins, tel. (11) 3068-4444, www.dalvaedito.com.br

Pro Dia das Mães: receita passo a passo de bolo de matchá com chantilly e frutas

bolo todoDia das Mães não pode passar em branco. O meu, por exemplo, vai ser meio verde. Não, minha mãe não é palmeirense (ok, eu já fui, mas hoje ligo mais pro ponto da massa do que pra marca do pênalti). Explico o “verde”: além de um belo almoço num restaurante especial, vou fazer pra mamma esse lindo bolo de matchá com chantilly e frutas, que aprendi numa aula de culinária japonesa com a chef Telma Shimizu Shiraishi, do Aizomê. A aula foi na minha escolha do coração, o Na Cozinha, do chef Carlos Ribeiro, acabamos botando a mão na massa com a grande chef e o resultado foi essa maravilha. Parece difícil, mas é um bolo simples de fazer (basicamente um pão de lá com um toque de chá verde), só um pouco mais trabalhoso para decorar. Mas tenho certeza que sua mãe merece, então mãos à obra!

 

A chef Telma Shiraishi dando seu doce recado

A chef Telma Shiraishi dando seu doce recado

Bolo de matchá com chantilly e frutas, da chef Telma Shiraishi
(Rendimento: de 8 a 10 porções)

Ingredientes:
4 gemas
4 claras
2 xícaras de farinha de trigo
2 xícaras de açúcar
1 colher de sopa de fermento em pó
1 pitada de sal
1 xícara de chá de água fervente (200 ml)
1 colher de sopa de pó de matchá
500 ml de creme de leite fresco
4 colheres de sopa de açúcar
1 colher de sopa de conhaque
1 colher de chá de extrato de baunilha
Seleção de frutas: morangos, kiwis, pêssegos em calda, blueberries (ou a gosto)

 

Modo de fazer:
Bata as claras em neve com uma pitada de sal e reserve. Bata as gemas com a xícara de água fervente até espumar bem (esse é um bom truque para obter uma massa fofinha). Vá acrescentando o açúcar aos poucos, sem deixar de bater. Acrescente a farinha aos poucos e continue a bater até ficar uma mistura homogênea. Retire da batedeira.
Dissolva o matchá em um pouco de água quente, até ficar uma pasta molinha (passe numa peneirinha pra tirar caroços). Misture delicadamente na massa, que logo ganhará uma coloração esverdeada, linda.
massaAcrescente o fermento em pó e as claras em neve, misturando delicadamente com a espátula, sempre debaixo pra cima – nao coloque toda a clara de uma vez, faça isso em duas etapas. Despeje em assadeira redonda, forrada com papel manteiga, e leve para assar em forno pré-aquecido a 180ºC. Prefira uma daquelas assadeiras com fundo removível, mais fácil pra desenformar.
Enquanto o bolo assa, misture o creme de leite, o açúcar, o conhaque e a baunilha e bata até o ponto de chantilly firme. Quando o bolo começar a cheirar, ele já está pronto ou quase (de 30 a 40 minutos). Fique de olho pra não queimar, faça o este do palito seco, retire do forno e deixe esfriar.

 

topoLimpe as frutas. Separe uma parte menor (cerca de um terço do total de frutas) e fatie bem fininho os morangos, kiwis e pêssegos. Esses quase”sashimis” de frutas vão na parte de cima do bolo, decorando o doce, como a foto ao lado.  Pique em bubinhos os outros dois terços de frutas variadas, misturando um pouco da calda do pêssego e um toquinho de conhaque (você também pode usar rum ou cachaça, mas lembre-se de não exagerar!)
Depois de desenformado, corte o bolo para que fique com três camadas (ok, pode ser só duas, mas com três fica mais bonito!).

 

Na camada de baixo, cubra com as frutas picadas, uma camada bem espalhada de chantilly e cubra com outra camada de bolo (veja abaixo). Faça o mesmo e cubra com a camada-tampa do bolo.

coberturaNa hora de “tampar” o bolo, será o contrário: primeiro uma generosa camada de chantilly, que servirá de base “colante” para as fatias de frutas que você reservou pra decorar o bolo. Complete com os blueberries, se quiser algumas folhas de hortelã, e leve à geladeira até a hora de servir. E feliz Dia das Mães!

Pasta alla vodca: simples, rápida e deliciosa

Captura de Tela 2015-04-21 às 19.58.50Hoje recebi amigos pra almoçar e fiz 3 receitas. Sim, fiquei maluco, mas em três horas tinha tudo pronto e foi ótimo. Além do frango spicy com laranja (receita aqui) e do frech toast com canela de sobremesa (aqui), testei uma nova receita e acabou rendendo bem: pasta alla vodca. Trata-se de macarrão com molho de tomate e vodca, simples assim. Usei o radiatori (viciei nesse macarrãozinho que parece um radiador de carro), mas pode ser penne, linguini ou mesmo papardelle. Veja a receita e divirta-se com essa massa rápida e muito saborosa.

Pasta alla vodca

Ingredientes:
400 g de macarrão (o seu preferido)
1 lata de tomate pelado (cortado grosseiramente em pedaços)
1 pacote (ou lata) de molho de tomate
3 ou 4 colheres de sopa bem cheias de nata (ou creme de leite)
¾ de xícara de vodca
1 cebola média picada
3 dentes de alho picado
1 colher de café de pimenta vermelha em flocos (pode ser pimenta calabresa)
2 colheres de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de óleo
sal e pimenta a gosto
parmesão a gosto
um punhado de salsinha picada

Modo de fazer:
Prepare a massa no tempo de cozimento correto e reserve. Numa panela ou frigideira grande, aqueça o óleo e a manteiga, até derreter. Refogue a cebola e depois o alho até dourar.
Adicione a vodca de deixe reduzir o álcool por 3 a 5 minutos. Junte o tomate pelado picado e o molho de tomate, misture bem e deixe cozinhar por alguns minutos. Adicione a nata, misture bem e deixe cozinhar uns 5 minutos. Quando começar a borbulhar, abaixe o fogo, junte a pimenta e flocos, acerte o sal e a pimenta preta moída na hora e deixe o molho cozinhar.
Depois é só juntar a massa já cozida, salpicar com salsinha e misturar bem. Na hora de servir, polvilhe com parmesão ralado. Pronto!

Quer seu nome num rótulo de tequila? Pergunte-me como

IMG_1909Ontem tive uma verdadeira aula sobre tequila no novo restaurante mexicano da cidade, o La Central. Não, não saí bêbado, mas bem animado e com boas novidades. Foi o lançamento do Dons of Tequila, projeto global da marca Jose Cuervo, com direito a desgustação dos vários tipos de bebida e harmonização com delícias da cozinha (confira os pratos no meu InstagramO concurso promovido pela destilaria mexicana, que já tem mais de 250 anos, envolverá bartenders de 17 países. O vencedor da contenda terá a honra de ser um “Don of Tequila” e, como prêmio, irá para Tequila, no México, colher seu próprio agave e fazer seu blend exclusivo de Jose Cuervo. Esse lote especial de 500 garradas terá o rótulo personalizado com seu nome. Bacana, né?

Screen Shot 2015-03-31 at 7.42.16 PM

Guacamole com Paloma Silver (Jose Cuervo Silver, grapefruit e limonada).

Para participar, o candidato tem de fazer o upload de uma foto com a receita de um shot, conforme detalhes no website DonsOfTequila.com.  As melhores receitas do Brasil irão competir em um evento nacional, em julho. O Don brasileiro disputará a final com os representantes dos outros 16 países.

IMG_1978Me animei tanto ontem que acabou baixando o exu-barman em mim e inventei um drinque ali na hora. E não é que ficou bom? Batizei o coquetel de La Superior, nome de uma taqueria que visitei no Brooklyn e que se tornou uma das melhores experiências gastronômicas na minha última viagem a Nova York – que aliás ainda precioso contar aqui com mais detalhes. A receita é simples:

 

La Superior

Ingredientes:
60 ml de Jose Cuervo Silver
15 ml de suco de limão
½ maçã verde em cubos, sem caroço
4 fatias grossas de gengibre
2 colheres de sobremesa de açúcar demerara
2 ramos de tomilho (sem o cabo, só as folhas)

Modo de fazer:
Numa coqueteleira, macere bem a maçã e o gengibre. Adicione todos os outros ingredientes, encha de gelo e cachoalhe com firmeza. Coe duplamente (strainer e coador) em uma taça de margarita previamente gelada. Se quiser, guarneça com um raminho de tomilho. Está listo!

Thai food: receita de cogumelos fritos com tofu crocante

tofu corcanteTerminou sábado a temporada de cozinha thai do chef Maurício Santi no Satay. E foi maravilhosa. Não deu pra você ir? Bem, nem tudo está perdido. O chef liberou uma das 11 receitas que ele serviu na temporada – e foi um dos pratos de que mais gostei. Pad Hed Gui Chai Dtao Huu Tod, ou seja, cogumelos fritos com nirá e tofu crocante, uma ótima receita vegetariana, rica em sabores, texturas e aromas. Ainda não testei em casa, mas já vou adiantar a receitinha pra quem quiser preparar no feriadão.

Pad Hed Gui Chai Dtao Huu Tod
(Cogumelos fritos com nirá e tofu crocante)

por Maurício Santi

Ingredientes:
Shiitake
2 shiitakes secos e inteiros
Aniz estrelado a gusto
Canela em pau a gusto
Quanto baste de água

Cogumelos fritos
2 shiitakes (do preparo acima) cortados em 4 partes
4 cogumelos-paris frescos e fatiados
1 colher (sopa) de nirá fatiado
1 colher (chá) de gengibre cortado em tiras finas
1 colher (chá) de soja fermentada
1 colher (chá) de alho em pasta
1 colher (sopa) de molho de cogumelos (molho de ostra vegetariano)
1 colher (chá) de shoyu
1 colher (chá) de açúcar
quanto baste de caldo de frango ou legumes

Tofu crocante
150 g de tofu fresco mole cortado em cubos grandes
2 ovos
100 g de farinha de trigo
sal e pimenta-do-reino preta e moída na hora a gusto
quanto baste de óleo de soja

Para servir
1 colher (chá) de chips de alho frito
200 g de arroz de jasmim cozido

Modo de preparar:
Shiitake
Um dia antes do uso, hidrate o shiitake seco em água em temperatura ambiente e adicione o aniz estrelado e a canela. Coloque um peso em cima, para que o shiitake fique completamente imerso na água. Após 24 horas, escorra o shiitake, corte-os em quartos e reserve.

Cogumelos Fritos
Aqueça a wok no fogo alto e, enquanto isso, num recipiente de apoio, faça camadas com os ingredientes. Comece com o nirá e, depois, coloque na ordem: o gengibre, o alho, o cogumelo Paris, o shiitake, o molho de cogumelos, a soja, o shoyu e o açúcar. Coloque um fio óleo na wok quente, vire o recipiente na panela e adicione uma concha de caldo de frango ou de legumes. Salteie intensamente, com o fogo bem alto, até os cogumelos chegarem no ponto.

Tofu Crocante
Num recipiente, misture a farinha de trigo com o sal e a pimenta-do-reino moída. À parte, bata os ovos e reserve. Em seguida, empane o tofu em cubos na farinha de trigo temperada, depois passe-os no ovo batido e mais uma vez na farinha. Frite por imersão em óleo quente (160 ⁰C), até formar uma crosta crocante e dourada e deixe-o escorrer em papel absorvente.

Para Servir
No fundo do prato, coloque os cubos de tofu crocantes. Depois, derrame sobre eles a mistura da wok. Finalize com o chips de alho e sirva com arroz de jasmim.

Dica do chef
Para nada ficar fora do ponto, antes de jogar os ingredientes na wok, arrume os ingredientes num recipiente. Os de cocção rápida por baixo e os de cocção mais demorada por cima. Quando virar o bowl na wok quente, o que demora mais ficará mais tempo em contato com o metal aquecido, e o que demora menos ficará menos tempo.

Rendimento: 1 porção
Preparo: 2 horas (+ 24 horas)
Execução: fácil

 

Receita: aprenda a fazer o pudim de leite na latinha do Holy Burger

IMG_0586Outro dia fiz um post sobre meus cinco pudins de leite preferidos dos restaurantes em São Paulo (que você pode ler aqui) e um dos que mais chamou atenção do Holy Burger: o pudim de leite condensado que chega à mesa na latinha. Além da apresentação charmosa, o doce é uma maravilha de sabor e cremosidade. Recebi tanto pedido de leitor que acabei descolando a receita com Gabriel Prieto, sócio do Holy Burger. Ainda não fiz em casa, mas já vou dar aqui pra quem quiser testar – e depois me contar. Ah, a receita abaixo rende 15 pudins, então você pode preparar um terço e fazer 5 unidades – ou fazer os 15 pudinzinhos e chamar amigos pra comer, sem se esquecer do blogueiro aqui.

Pudim de leite condensado e cumaru

Ingredientes:
900 ml de leite
900 ml de leite condensado
600 g de creme de leite
9 ovos
2 sementes de cumaru (se não tiver cumaru, pode usar amburana ou cumarina, que podem ser compradas até em sites. Nada de essência de baunilha, segundo o pessoal do Holy. #xati)

IMG_0584Modo de preparo:
Rale as duas sementes de cumaru e coloque no leite. Leve-o ao fogo e deixe mornar. Desligue e reserve. Misture o creme de leite e o leite condensado com fouet (na mão).
Em uma vasilha à parte, bata os ovos com fouet (na mão) e depois peneire. Junte os ovos com a massa e acrescente, depois de peneirar, o leite com cumaru. Reserve e deixe descansar um dia na geladeira.
Numa panela, faça um caramelo com açúcar, mas sem deixar duro. Caramelize as latinhas de leite condensado vazias, despejando no fundo. Daí despeje a massa do pudim até faltar um dedo nas latas. Leve ao forno pré-aquecido a 160ºC e deixe cozinhar em banho-maria por uma hora. Depois, coloque na geladeira para esfriar completamente. Na hora de servir, é só passar uma faca ao redor do pudim para ajudar a soltá-lo da lata e… ser feliz!

Holy Burger – R. Dr. Césario Mota Jr., 527, Sta. Cecília, tel. (11) 4329-9475